Agricultura sustentável: INIA Chile desenvolve probióticos endofíticos que podem substituir agroquímicos

Os pesquisadores do INIA Quilamapu desenvolveram a tecnologia conhecida como Endomix T1 baseada em microrganismos vivos, que substituem os agrotóxicos.

Os números são alarmantes. Atualmente, o Chile utiliza o dobro de agrotóxicos que a média dos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), sendo o país desse grupo que mais mais agroquímicos se aplicam em seus sistemas de produção agrícola.

A isto junta-se, por um lado, o aumento dos preços dos fertilizantes que em alguns casos, como a ureia, excede 100% e, por outro, a existência de novas e mais agressivas pragas e doenças agrícolas, juntamente com níveis mais elevados de contaminação da água e do solo em todo o mundo.

Diante desse cenário preocupante e complexo, e focado em propor uma alternativa sustentável, um grupo de pesquisadores da INIA Quilamapu, chefiado pelo engenheiro agrônomo Lorena Barra-Bucarei, desenvolveu a tecnologia conhecida como Endomix T1, produto gerado a partir da mistura de duas cepas de microrganismos endofíticos (fungos) do gênero Trichoderma.

O que é significativo é que estes podem viver dentro da planta e proporcionar-lhes, a partir daí, múltiplos benefícios, algo semelhante ao que os probióticos fazem nos humanos, promovendo o crescimento através de vários mecanismos.

Ambas as cepas de fungos beneficiam de forma abrangente algumas espécies de vegetais, como alface, milho, pimenta, pimentão, pepino e tomate, tornando-os mais fortes contra algumas doenças. "Na medida em que Endomix T1 é inoculado (fornecido) nos estágios iniciais de desenvolvimento da planta, melhores resultados são obtidos na promoção do crescimento"Barra-Bucarei explicou.

O investigador do INIA Quilamapu e doutor em ciências agrárias acrescentou que a criação deste produto visa facilitar a sua utilização no campo pelos pequenos agricultores. “O que fizemos foi juntar cepas endofíticas que promovem o crescimento e colocá-las em um recipiente, que por sua vez contém pequenos recipientes com as doses certas para serem usadas por um pulverizador ou bomba de retorno.”

O desenvolvimento da tecnologia Endomix como probiótico vegetal permitiu que em 2021 recebessem o prêmio “Prêmio Científico Inovador”, Concedido pela Agência Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento (ANID) e pela Universidade de Los Andes, por facilitar o uso de produtos que contribuem para o cuidado natural dos cultivos.

Alcance da comunidade

No âmbito do projeto FNDR "Transferência de tecnologia e extensão agrícola para produtores da província de Arauco", financiado pelo Governo Regional de Biobío, as pesquisadoras da unidade de bioinsumos do INIA Quilamapu, Lorena Barra-Bucarei e Javiera Ortiz mostraram os benefícios que apresenta em pomares de hortaliças, cereais, flores e pequenas árvores frutíferas, o uso de bio-insumos. Estudantes e agricultores das comunas de Cañete e Curanilahue participaram dessas atividades de dois dias.

O coordenador do projeto, Rodrigo Avilés, sustentou que “conseguimos gerar instâncias de formação e divulgação de práticas inovadoras, que contribuem para o desenvolvimento das culturas na província”.

O profissional do INIA Quilamapu destacou "o grande interesse dos produtores, produtoras, equipes técnicas e também dos alunos da Escola Técnica Alonso de Ercilla y Zúñiga e da Universidade Católica da Santísima Concepción, que, de forma prática, participaram dos vários atividades organizadas”.

A este propósito, o diretor do liceu, Mario Contreras, considerou esta formação “muito relevante”, sobretudo para a especialidade agrícola que leciona. “São conhecimentos que os nossos alunos irão adquirir para, no futuro, poderem aplicar este tipo de estratégias inovadoras”, indicou, para além de destacar a ligação que já existia há algum tempo com o INIA, que permite a entrega de novos ferramentas para estudantes.

No mesmo sentido, o aluno Matías Carrillo, que participou do treinamento, indicou que "Achei divertido e com boas informações (...), tenho a ideia de futuramente seguir carreira na área de agronomia."

Já o agricultor Juan Pincheira, do setor de Cayucupil em Cañete, considerou interessante esta nova alternativa de utilização de microorganismos para fortalecer os cultivos. “Sempre acaba na química, mas, pelo que está acontecendo no mundo, é hora de começarmos a testar novos produtos e produzir algo saudável para nossa saúde. Sempre faço meus próprios fertilizantes, o que me permite economizar dinheiro. Agora vou começar a aplicar o Endomix”.

Após a conclusão das ações de capacitação, a pesquisadora Lorena Barra-Bucarei reforçou a necessidade de ministrar disciplinas que ensinem a importância dos bioinsumos na agricultura: “a curiosidade das crianças deve ser estimulada quando estudam biologia (...) existe uma disciplina chamada biomimética, que consiste em olhar a natureza e copiar o que ela faz; Bom, nós observamos e vimos que as pragas são controladas com outros microorganismos e trazemos isso para um produto", referindo-se a Endomix.

Adicionou isso "No ensino médio, deveríamos falar sobre microrganismos benéficos e suas múltiplas aplicações, enquanto nas escolas agrícolas e universidades deveria ser obrigatório ministrar um curso de bioinsumos para uma agricultura sustentável."

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

As geadas devastadoras causam perdas significativas de mirtilos nos U...
Sonho azul: Ucrânia bate recorde histórico de exportação de mirtilo...
José Antonio Gómez-Bazán, CEO da Camposol: qual o segredo do sucesso...