A agricultura continuará a ajudar a combater a pobreza no país

Agroexportadores pedem estabilidade política e social, segurança e infraestrutura

CEOs das mais importantes empresas agroexportadoras do país participaram do fórum ‘Perspectivas Agroexportadoras: Conquistando caminhos para o Peru’, organizado pela ADEX.

Terça-feira, 20 de fevereiro-.  A falta de estabilidade política e social, de segurança, de infra-estruturas eficientes e de abertura de mais mercados são alguns dos obstáculos identificados pelo CEOS de 4 das mais importantes empresas agroindustriais do país, para que este sector continue a contribuir para o crescimento do país e em particular para o combate à pobreza.

Estava no fórum'Perspectivas agroexportadoras: conquistando estradas para o Peru', organizado pela Associação de Exportadores (ADEX), que contou com a participação do Ministro do Desenvolvimento Agrário e Irrigação (Midagri), Jennifer Contreras Álvarez; o vice-ministro de Comércio Exterior do Ministério de Comércio Exterior e Turismo do Peru (Mincetur), Teresa Mera; e o presidente do sindicato, Julio Pérez Alván.

Em sua dissertação, Perez Alvan destacou a presença dos principais atores do setor e mencionou que no ano passado as exportações dos agroexportadores fecharam em US$ 10 mil 180 milhões e foi a segunda atividade mais proeminente depois da mineração. “Ajudou a gerar 2 milhões de empregos diretos, indiretos e induzidos”, destacou.

Disse que os membros desta cadeia ajudam a reduzir a informalidade e continuam a trabalhar apesar da turbulência político-social e dos efeitos das alterações climáticas. Ele acrescentou que em ADEX Estão preocupados com a situação e continuarão a apoiar boas iniciativas e a manifestar a sua opinião relativamente a medidas que não acrescentam competitividade às empresas.

O panorama é imenso; Há problemas e desafios, mas também esperança – continuou –, este 2024 é especial não só pela inauguração do porto de Chancay, pelo andamento das obras do aeroporto, mas porque Lima será a sede do fórum da APEC.

Jennifer Contreras Álvarez Ministro do Desenvolvimento Agrário e Irrigação

CEO

O CEO de Danper Trujillo SAC, Rosário Bazán de Aranguri; o CEO da Camposol SA, José Antonio Gómez Bazan; o presidente de Ecosaco SAC Agrícola, Mário Mustafá Aguinaga e o CEO da Cerro Prieto, Percy Muente Kunigami concordou em apontar o valor do trabalho conjunto dos setores público e privado e mencionou alguns dos problemas e oportunidades.

Bazan de Aranguri da empresa Danper destacou a importância do sector na geração de emprego, especialmente entre as mulheres nas zonas rurais e em situações vulneráveis. “O agronegócio continuará a crescer na medida em que o Estado evite conflitos sociais, preserve o Estado de Direito, a estabilidade económica e a segurança jurídica”, afirmou.

“Os conflitos sociais afastam os investimentos e trazem consigo uma maior pobreza que afecta actualmente 10 milhões dos 32 milhões de peruanos, que não têm acesso a serviços básicos e à educação. Esta situação é um terreno fértil para conflitos, por isso o governo deve ser obrigado não só a aumentar o PIB, mas também a melhorar as condições dos nossos compatriotas”, enfatizou.

Mustafá Aguinaga de Ecosaco Disse que o mercado internacional oferece mais oportunidades, nomeadamente para apresentações de frescos, mas é necessário um trabalho conjunto, e o trabalho do Estado com o objectivo de planear e melhorar a execução das obras. Acrescentou que a segurança, o desenvolvimento de novos mercados e a Lei da Cabotagem não devem ser negligenciados. “O otimismo existe, mas os projetos devem ser concretizados”, expressou.

da esquerda para a direita: Jose Antonio Gomez Bazan, Rosario Bazán, Julio Pérez Alván, Teresa Mera Gómez, Mario Mustafá Aguinaga, Percy Muente Kunigami, Edgar Vasquez

José Antonio Gómez Bazan da empresa Camposol Recomendou trabalhar num plano estratégico para 2054 que inclua diversas linhas como energia, recursos hídricos e vias de acesso, entre outras, caso contrário o crescimento e a capacidade de gerar mais emprego serão limitados.

“Este plano deve ser executado independentemente da cor do governo no poder. Deve incluir créditos para pequenos produtores, acesso à água e energia. “O Chile saiu na frente porque estruturou algo semelhante”, comentou.

Por sua vez, Percy Muente Kurigami Cerro Prieto Ele também enfatizou a necessidade de melhorar a infraestrutura do país e a segurança jurídica. “Desbloquear obras pendentes e ajudar os pequenos produtores ajudará a manter a reputação do Peru como fornecedor confiável no longo prazo”, disse ele.

O ministro de MidagriJennifer Contreras Álvarez concordou com Pérez Alván no sentido de que 2024 será um ano de desafios, mas que o objetivo do governo é avançar na agenda pendente que está adiada há anos.

“Devemos superar os problemas de conectividade, água e infraestrutura. Nós vamos fortalecer Senasa e a articulação de INIA com o setor privado e a academia. Devemos estar preparados para as mudanças climáticas e promover uma cultura preventiva”, comentou.

Depois de indicar que para este ano está previsto um aumento de 3.5% na produção agrícola, acrescentou que se previam condições agroclimáticas mais favoráveis, mas que, apesar disso, o seu gabinete planeia investir cerca de S/ 1,200 milhões em obras de prevenção e créditos aos produtores.

Por sua vez, o vice-ministro Mincetur, Teresa Mera, relatou que o 81% das exportações agrícolas vêm principalmente de Libertad, Ica, Piura e Lambayeque, que juntos representam o 60% do valor total.

Neste sentido, destacou a importância de melhorar a logística através da optimização dos principais corredores e do desenvolvimento de projectos de infra-estruturas portuárias. “Estão sendo realizadas ações para promover os corredores interoceânicos norte e sul, bem como para consolidar o eixo multimodal Callao-Chancay”, afirmou.

Por fim, destacou que nos últimos 10 anos, as exportações agrícolas Peruano (9%) eles cresceram mais do que outros países da região: México (8%), Bolívia (7%), Honduras (6%), Colombia (6%), República Dominicana (6%), Brasil (5%), Chile (3%), entre outros. “Graças ao esforço público-privado, desenvolveu-se uma cesta agroexportadora diversificada e sustentável”, concluiu.

ADEX: 'Abrindo um mundo de oportunidades'

fonte
ADEX

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Bagas e frutas do Marrocos e do Egito despertam grande interesse em Ka...
“A Roménia torna-se uma origem estratégica, uma vez que cobrirá uma...
“Apoiamos a redução da jornada de trabalho e esperamos que o tempo integral seja aplicado...