Amine Bennani: "Novos investimentos ampliam a área de mirtilo no norte de Marrocos"

A realidade da indústria marroquina e suas perspectivas será um dos temas centrais do XXI Seminário Internacional de Mirtilo que será realizado no Hyatt Regency Casablanca em 9 de junho.

Marrocos já é uma potência produtora e exportadora na indústria global de mirtilo e bagas em geral. A cada ano o país avança em seu desenvolvimento, incorporando mais produtores à cultura e ampliando sua área plantada com novos e inovadores projetos, com grandes investimentos, aproveitando o acesso a novas tecnologias, melhores variedades e modernos sistemas de manejo.

Amine Bennani, presidente da Associação Marroquina de Produtores de Frutas Vermelhas (Ampfr), comenta que a safra de mirtilo no Marrocos produziu volumes superiores à safra passada, dando continuidade à tendência dos últimos cinco anos, e destaca que a velocidade de crescimento do área permanece entre 300 e 500 hectares por ano.

A fruta marroquina goza de boa reputação e é a preferida dos consumidores europeus por ser uma fruta de alta qualidade e, além disso, esses novos projetos são implementados com base em novas e melhores variedades de mirtilos oferecidas pelo mercado de melhoramento de plantas, que reforçar o bom prestígio do produto.

Seminário Internacional em Casablanca

A indústria de mirtilo no Marrocos está em constante desenvolvimento, razão pela qual o país oferece muitas oportunidades para investimentos estrangeiros e locais em novos projetos. Esta realidade da indústria marroquina e suas perspectivas será um dos temas centrais do XXI Seminário Internacional de Blueberry que será realizado no Hyatt Regency Casablanca em 9 de junho.

Amine Bennani, além de liderar a organização que reúne a grande maioria dos produtores marroquinos, é uma conhecida interlocutora da indústria global de mirtilo, e será uma das participantes do XXI Seminário Internacional de Mirtilos, expondo o " Estado atual e projeções da indústria marroquina de mirtilo”, juntamente com o doutor em Economia pela Universidade de Casablanca, Hassan Ouabouch, que o fará em relação aos “Fatores de diferenciação da indústria marroquina de mirtilo”, e o Co-CEO de Fall Creek , Cort Brazelton, que falará sobre "O mercado global de mirtilo e estratégias de competitividade".

Produção em substratos, biofertirrigação e controle de salinidade em cultivos sem solo, manejo orientado para a qualidade, aspectos nutricionais, controle de pragas e das doenças mais importantes farão parte dos temas que serão abordados no encontro pelos diversos especialistas internacionais que participarão.

Procurando produzir o ano todo

A indústria do mirtilo em Marrocos tem grandes projeções e os investidores internacionais estão a aumentar o seu interesse em implementar novos projetos produtivos em diferentes zonas do país.

Neste contexto, Amine Bennani tem uma visão muito clara das perspectivas para a indústria marroquina de mirtilo.

Quais são as vantagens de Marrocos?

Em Marrocos abre-se uma grande oportunidade para os mirtilos, que podem ser produzidos durante 10 meses por ano. Nas zonas onde não há frio produzimos de Setembro a Abril ou Maio. Produzimos na planície e em áreas próximas ao mar, onde não há muitas horas de frio. Temos alguns produtores que estão pensando em produzir em altura, com manejo no solo e sem cobertura até agora, com variedades que resistem a temperaturas mais baixas. A ideia é produzir de abril a agosto ou setembro e assim poder ter produção durante todo o ano.

Marrocos, no Norte de África, tem diferentes tipos de clima, no norte é mediterrânico e um pouco mais a sul é mais quente. As mínimas oscilam entre 5ºC e 15ºC, dependendo da área. O norte é mais chuvoso, e a água está disponível em todas as áreas, e em outras há processos de dessalinização da água do mar à disposição dos produtores.

As áreas de produção estão localizadas principalmente na região norte, que corresponde aos cultivos de solo, com plantio direto, e 30-35% estão no sul, com cultivos em vasos. As principais variedades provêm do azul africano, do Atlântico (Hortifruit), do grupo Royal e do Driscoll's. As lavouras são todas protegidas por malha 50% no verão e com cobertura plástica no inverno.

fonte
Martin Carrillo O.- Consultoria de Mirtilos

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

“Segregação e controle, controle e mais controle…”

Driscoll's concorda com os termos da aquisição da Berry Gardens

Análise do panorama mundial da produção de mirtilo