Andrés Couve, Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Conhecimento: "O conhecimento deve estar no centro do modelo de desenvolvimento"

Primeiro, quero expressar a honra que sinto de ser o protagonista do fato histórico de que a ciência chegou a La Moneda.

A criação e implementação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Conhecimento é um primeiro e grande passo, mas se acreditarmos que somente isso resolverá os problemas de desenvolvimento que temos, ficaremos desapontados. Se não houver mudança de mentalidade em relação à ciência, o modo de fazer as coisas não mudará muito em relação à era distante da colônia.

Nossa primeira tarefa, então, é inspirar. Inspire-se com as oportunidades oferecidas por essa revolução que estamos vivendo, onde o conhecimento deve estar no centro do modelo de desenvolvimento.

Quando digo que o Ministério precisa inspirar, não quero que saibamos quanto tempo leva para a luz chegar à Terra, mas para mostrar uma tarefa que pode ser relevante para o desenvolvimento social.

Então, devemos vincular a ciência ao setor privado, ao sistema educacional, ao mundo produtivo e ao mundo cultural, entre outros. Devemos vincular o trabalho científico a outras tarefas. Devemos vincular esse ministério para articular muitas tarefas e produzir várias descobertas para aplicar em todas as áreas possíveis.

Devemos entusiasmar os atores públicos e privados, e se um cientista não gosta de falar sobre a utilidade de sua pesquisa, ele terá que reconsiderar, porque se ele não está preparado para isso, não está preparado para receber recursos públicos, que são de todos. os chilenos. Você tem que ser claro sobre por que fazemos o que fazemos. Sempre fui tranquilo gastando dinheiro público, embora nenhuma patente saísse do meu laboratório e nenhum emprego fosse gerado.

O cientista é um profissional altamente valorizado, mas, ao mesmo tempo, há uma desconexão com relação a quem faz ciência, onde é feito, como são aqueles que o fazem. É paradoxal, o cientista é bem avaliado, mas ninguém sabe o que faz. Os cientistas devem fazer uma introspecção para ver como podemos contribuir para o desenvolvimento do país e das pessoas. Devemos criar uma agenda para a promoção da pesquisa científica, inovação e também o desenvolvimento do capital humano.

Há muitas coisas para fazer neste novo ministério, e todas são importantes ou prioritárias, mas principalmente devemos fortalecer os locais onde a pesquisa é feita e vinculá-la ao mundo produtivo, educacional e cultural. Este ministério não será um púlpito para os cientistas falarem de um altar.

Andres Couve Correa

(49 anos) é o primeiro ministro de Ciência, Tecnologia, Inovação e Conhecimento do Chile. O Bacharel em Ciências Biológicas da Pontifícia Universidade Católica do Chile é PhD em Biologia Celular pela Faculdade de Medicina Mount Sinai em Nova York e possui pós-doutorado em Neurociência na University College de Londres.
O Ministério foi aprovado no Congresso chileno em maio de 2018 e sua missão é estruturar, promover, coordenar e promover as atividades de ciência, humanidades e desenvolvimento tecnológico em todas as suas etapas, a fim de contribuir para o desenvolvimento sustentável do país e o bem-estar. social.

fonte
Martín Carrillo O. - Consultoria Blueberries

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Opinião: O perigo da consanguinidade na indústria do mirtilo

Caso de salvaguardas dos EUA: uma ameaça que não prosperará

Ricardo Polis: "Não podemos voltar atrás"