Iván Marambio, presidente da Frutas de Chile e 40 horas:

“Apoiamos a redução da jornada de trabalho e esperamos que a jornada integral seja aplicada”

“Acreditamos que o que as decisões vieram fazer é confundir o que tinha sido tão bem feito, causando incertezas”

Num comunicado de imprensa de Frutas Chilenas, o presidente da organização empresarial que reúne produtores e exportadores chilenos de frutas, Ivan Marambio, refere-se ao parecer da Direcção do Trabalho que rejeita a ideia de prolongar o horário do lanche ou subdividir a redução em minutos diários para cumprir a regulamentação de redução da jornada de trabalho, no âmbito da conhecida “Lei das 40 Horas .

O dirigente dos fruticultores destacou que enquanto sector apoiam a redução da jornada de trabalho e que esperam que o horário integral seja aplicado sempre que possível.

Apoio à Lei

Ivan Marambio garantiu que o recente parecer da Direcção do Trabalho provoca incertezas importantes, porque pode não ser aplicável em determinados casos e que, como Frutas Chilenas, têm várias apreensões relativamente às decisões, “o que não acontece com a Lei, que promovemos e apoiámos, pois parece-nos que é uma norma que pode ser cumprida em benefício dos trabalhadores”, apontou.

“Mais de 600 mil pessoas trabalham diretamente na fruticultura, portanto, para o nosso setor esses assuntos são muito importantes”, destacou.

A reclamação vai contra as decisões, que segundo o dirigente “vieram enredar o que tão bem foi feito”, porque lembra que a norma foi feita com a concordância do mundo empresarial, dos trabalhadores e das organizações sociais.

Opinião e aplicabilidade

As observações específicas feitas pelo presidente da Frutas Chilenas Existem principalmente três:

A primeira coisa é que lhes parece negativo que na última hora se estabeleçam formas de agir que não proporcionam certeza, quando a responsabilidade da autoridade é proporcionar certeza.

Em segundo lugar, eles se sentem deslocados. “O nosso setor, onde trabalham tantas pessoas, não tem uma consideração especial, mas somos considerados como um setor que funciona de forma permanente e da mesma forma que outras indústrias do país, quando temos épocas e “picos”.

Um terceiro ponto refere-se aos problemas de aplicabilidade do parecer. “Estamos a favorecer e a apoiar que tanto os trabalhadores como os empregadores cheguem a acordos e esperamos que esses acordos vão no sentido da redução do horário de trabalho e isso aconteça num só dia para que o trabalhador possa tirar o máximo partido disso.

No entanto, existem problemas na sua aplicabilidade, conforme estabelecido no parecer. Nesse sentido, basta apontar como exemplo o trabalho por turnos. Sua aplicabilidade é muito difícil, pois seriam geradas lacunas entre a mudança que sai e a mudança que começa, portanto, há um problema e a proporcionalidade parece ser a fórmula lógica. Outro aspecto é que já existiam acordos assinados entre empresas e sindicatos, então surge a questão do que vai acontecer com isso, pois hoje tudo isso parece estar em dúvida.”

Atores especiais

Finalmente, Ivan Marambio observaram que, como setor, há outro assunto que também os preocupa significativamente e que se refere ao artigo 22, onde “entende-se que a fiscalização superior imediata é feita via celular, e isso nos parece negativo, porque como indústria temos pessoas que estão, obviamente, sem supervisão superior imediata, como, por exemplo, líderes de campo, gestores de campo, agrônomos, entre outros. São pessoas que não podem permanecer sob horários de trabalho rígidos e rigorosos, porque estão em locais onde o trabalho simplesmente não é compatível com essa limitação.”

fonte
Consultoria Blueberries

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Produtores de mirtilo do Zimbábue buscam acesso ao mercado chinês
A indústria de frutas vermelhas no México continua a crescer apesar dos desafios
Revolucionando a irrigação hidropônica de frutas silvestres – a solução 3 em 1