Capturados em alto mar: companhias de navegação e governos confrontados com restrições de desembarque sanitário

Entrevista exclusiva com Niels Bruus, chefe de RH marítimo da Maersk Line, mostra crise na substituição de tripulações

A cadeia logística é "virada de cabeça para baixo" pelo coronavírus, mas não é a primeira vez que o suprimento de carga é afetado por uma crise global; portanto, as empresas de transporte, portos e empresas de logística implementam medidas para lidar com o problema desde o primeiro dia os desafios desta crise em particular. O que é atípico são as restrições sanitárias que limitam o contato e a interação humana. Essa crise é sem precedentes de maneira transversal em todos os setores, e os trabalhadores da cadeia de logística sentiram o impacto direto e forte. É o caso das tripulações dos navios de carga marítima, que estão “presas” em seus navios, sem possibilidade de desembarcar e retornar aos seus países de origem. Como não existe um protocolo sanitário único estabelecido por uma organização universal, são as autoridades locais dos países que determinam as regras para o desembarque da tripulação. É aí que ocorre um conflito entre as autoridades de saúde do governo e os executivos das empresas, onde a única parte lesada é o membro da tripulação cujo único desejo é voltar para casa.

Preocupado com as tripulações do mundo 'capturadas em alto mar', Maritime World falou exclusivamente com Niels Bruus, Chefe da Linha Marítima de RH Maersk, que partilhou as medidas e ações que a empresa dinamarquesa está a levar a cabo para repatriar os seus tripulantes. “O compromisso de nossos tripulantes em manter a cadeia de suprimentos ativa tem sido excelente, para dizer o mínimo, mas não podemos esperar que isso continue. Precisamos criar uma linha visível para cada tripulante de quando eles podem retornar para seus entes queridos, essa é nossa principal prioridade ”, expressa o executivo da empresa de transporte.

Higienizado e esquecido

Para Bruus, o problema já começa a fugir das capacidades que a companhia de navegação tem para proteger o bem-estar dos trabalhadores a bordo e garantir o seu regresso saudável a casa. “Nossos protocolos sanitários contemplam a limpeza dos navios e procedimentos para garantir o distanciamento social entre os tripulantes. Mas a decisão de mantê-los a bordo já atingiu um ponto crítico em que precisamos de uma ação imediata devido ao cansaço que estar a bordo por tantos meses lhes causou”., destaca o executivo.

O problema é que há países que têm protocolos em curso e outros que não, e a verdade é que esta tem sido a tendência da pandemia e dos protocolos de ação a todo o momento. A situação é dinâmica e muda a cada dia, com realidades muito diferentes em cada região do globo. “Embora a pandemia esteja sob controle na Europa, a situação é diferente em outras áreas do mundo, desenvolvendo-se todos os dias e estamos usando todas as oportunidades que nos são apresentadas. Esperamos compartilhar boas notícias da América Latina em breve"Diz o executivo dinamarquês, que acrescenta que"Temos visto cada vez mais países e portos abertos à rotatividade de tripulantes, mas ainda é preciso mais para normalizar a situação e permitir que aqueles com contratos estendidos voltem para casa”.

Essencial, mas rejeitado

Bruus revela que um dos principais problemas enfrentados pelos esforços de repatriação da tripulação tem sido a recusa das autoridades -em países de todo o mundo- em fornecer assistência médica aos marinheiros ou autorizar seus papéis de repatriação devido às condições de saúde, tanto físicas quanto mentais que eles presente. “Tivemos casos em que um tripulante sofria de ansiedade combinada com depressão. Nossa equipe médica orientou que ele recebesse tratamento psicológico, mas devido às restrições locais do Covid-19 no porto onde o navio estava localizado, não foi possível agendar uma visita médica. As autoridades locais não permitiram o desembarque do tripulante em nenhum dos portos de escala da embarcação. Eventualmente, o navio foi desviado para outro país onde, felizmente, a pessoa conseguiu desembarcar e receber o tratamento necessário.", relaciona o executivo dinamarquês de recursos humanos.

"Como afirma a IMO em seu apelo neste mês, as nações devem tratar os marítimos como trabalhadores essenciais. Nossos colegas em alto mar estão garantindo que as cadeias de suprimentos continuem trabalhando para o benefício da economia global, comércio internacional e empregos em todo o mundo. Nós realmente precisamos estar lá para eles e também dar-lhes o apoio de que precisam quando precisam.", Ressalta o executivo da Maersk.

Apoio na tempestade

Há aproximadamente 400.000 tripulantes 'encalhados' no mar. Em junho, cerca de 100.000 mil foram substituídos, principalmente em portos de países com protocolos e que também têm aeroportos abertos e funcionando. Os 300.000 restantes a serem repatriados estão a bordo de seus respectivos navios. Bruus detalha que, no caso da Maersk Line, a empresa disponibilizou recursos adicionais aos tripulantes para seu bem-estar emocional, com o apoio de profissionais, além de maior banda larga, para que possam manter contato com seus familiares; acesso a apoio psicológico para tripulantes e marinheiros e suas famílias; maior orçamento para alimentos e bebidas; aumento do orçamento para itens previdenciários. "Isto O que realmente importa é que os tripulantes cheguem em casa o mais rápido possível. Estamos fazendo de tudo para conseguir isso. Fizeram um excelente trabalho durante todo esse tempo”.

“Nós falhamos com nossos tripulantes”

Do outro lado do caminho, os portos também estão cientes da importância da rotatividade da tripulação. “Falhamos com nossos tripulantes por não terem tornado visível a importância de seu trabalho para os governos locais”Diz Juan Carlos Croston, vice-presidente de marketing e assuntos corporativos, Manzanillo International Terminals, em certo sentido, mea culpa de toda a indústria e que ele compartilhou em uma conversa exclusiva com o MundoMaritimo.

O problema é que, apesar de enfrentar um problema comum, não há um diálogo focado na tripulação. “Não há padronização de protocolos, tanto marítimos quanto sanitários”revela Croston, que enfatiza que é a "parte técnica do como fazer" onde os sistemas falham. “Em algumas partes do mundo conseguiram estabelecer alguns protocolos para a substituição de tripulantes, como é o caso de Cingapura, que elaborou um documento e o está aplicando, juntamente com alguns portos da Europa e do Caribe. A questão é que não tornamos o assunto visível para quem toma decisões nesse sentido”, acrescenta o executivo do MIT-PAN, que também é presidente da Caribbean Shipping Association.

fonte
worldmaritimo.cl

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

No Chile, neste 11 de abril, duas indústrias de sucesso se encontraram
O Instituto de Extensão de Ciências Agrárias e Alimentares da Universidade...
Cerejas, uma temporada de sucesso que será analisada no encontro deste 1...