Avanço da safra 2020-2021: 133% crescem exportações chilenas de frutas frescas para a Índia

Segundo informações da Associação de Exportadores de Frutas do Chile AG (ASOEX), a partir de 19 de julho desta safra 2020-2021, o Exportações chilenas frutas frescas para a Índia chegar a 4.451.087 caixas, tornando visível um aumento de 133%, relativamente ao mesmo período do exercício de 2019-2020.

As principais espécies enviadas para a Índia são: Maçãs (2.862.377 caixas), Kiwis (1.187.007 caixas), peras (153.824 caixas), Cerejas (76.757 caixas), mirtilos (74.812 caixas), uvas de mesa (54.150 caixas), ameixas (41.488 caixas) e abacates (672 caixas).

O crescimento das exportações pode ser explicado pelo aumento das exportações de quase todas as espécies, exceto ameixas: maçã (+ 179%), kiwis (+ 64%), peras (896%), cerejas (135%), mirtilos (237%) ), uvas de mesa (23%), ameixas (-9%) e abacates (100%).

Simfruit, espécie principal

Índia

A Índia é, sem dúvida, um mercado de crescente interesse para os países exportadores. Com uma população de aproximadamente 1.351 milhões de habitantes, oferece um mercado consumidor importante, diversificado e complexo, tornando-se o segundo país mais populoso, depois da China.

A Índia é composta por 28 estados e 8 territórios, cada um com sua própria identidade cultural. Centenas de grupos étnicos vivem nesta nação. 52% são indo-arianos (Asamese, Bengalis, Punjabi, Kolis, etc.), 20% são dravidianos (Tamil, Telugus, Malayali, Kannadig, etc.), e 5% são Mongolóides e outros.

Estima-se que a Índia ultrapassará a China, como o país mais populoso do planeta, em 2024. Enquanto hoje possui a maior população jovem do mundo.

Nos últimos anos, aquele país experimentou um grande crescimento da classe média, o que determinou certas mudanças na demanda por alimentos e no perfil de consumo.

Hoje, a pandemia Covid-19 gerou um maior tendência de consumir alimentos mais saudáveis, principalmente entre as classes média e alta.

Frutas e nozes têm uma nuance cultural significativa para o consumidor indiano, com base nas crenças religiosas hindus. Eles são freqüentemente usados ​​como presentes em casamentos e como oferendas nos templos dos deuses.

Grande parte do comércio de frutas e outros produtos tem sido tradicionalmente vinculado a pequenas lojas de bairro, vendedores ambulantes e mercados atacadistas. As redes de supermercados, por outro lado, ainda não estão muito desenvolvidas, assim como o e-commerce, que representa apenas cerca de 9% do comércio atual (é menos do que o que se vende nos camelôs). Um canal emergente é o “gourmet”, onde se vendem produtos de alta qualidade e onde existe uma recepção muito boa para os produtos importados.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A 5ª temporada de Better with Blueberries começa na Argentina

Cientistas peruanos recuperam e estudam mirtilos selvagens nativos de ...

Chile: cresce a exportação nacional de frutas para a China e em Biobío há alta ...