Estrada da água

Apesar de alto custo e não sem obstáculos, é um projeto interessante que deve ser estudado com cuidado.

Durante este mês, o projeto das rodovias aquáticas seria apresentado ao MOP, que postula ser aprovado como uma iniciativa privada. Isso permitiria financiar as plantas necessárias antes que uma obra desse porte possa ser concedida. Estimativas preliminares sugerem que o custo total seria de US $ 25-30 bilhões e que permitiria que pelo menos a 450 irrigasse mil hectares entre o Biobío e o Atacama. Isso aumentaria significativamente a produção agrícola e as exportações.

Não é a primeira iniciativa deste tipo. Há alguns anos, foi proposto instalar um grande gasoduto submarino que levaria água para o norte a partir da foz dos rios da região de Biobío. O custo direto desse projeto seria muito menor do que o da rodovia, mas o custo de aumentar a água parece inviabilizado para uso na agricultura, de acordo com os proponentes da rodovia. A possibilidade de utilizar água dessalinizada para irrigação no norte também foi mencionada, mas o custo da energia e da respectiva usina também a tornam inviável por enquanto. Nesse sentido, embora haja experiências no Oriente Médio de usar água dessalinizada para fins agrícolas, isso parece ter funcionado apenas economicamente em Israel. É possível, no entanto, que, com a redução dos custos da energia solar, seja viável reproduzir essa experiência em nosso extremo norte, à medida que o custo da água dessalinizada se aproxima de US $ 0,4 / m {+ 3} .

Os proponentes da hidrovia argumentam que, exceto para o extremo norte, seu projeto permitiria um sistema de irrigação mais barato do que todas as outras alternativas. Como a gravidade seria usada para direcionar a água da área de Biobío para o norte em várias etapas, o custo - pelo menos até a região de Valparaíso - corresponderia exclusivamente ao do investimento; Ao norte do Aconcágua, no entanto, seria necessário bombeá-los. O conceito requer o uso de direitos hídricos do rio Queuco e outros da região do Biobío, extraindo até 8% do seu fluxo na serra. Esses direitos seriam usados ​​no inverno, quando os agricultores que os possuem não os utilizam. O fluxo seria transportado por canais gravitacionais para o norte da região, onde seria armazenado em barragens, algumas já existentes e outras a serem construídas. Estas águas seriam usadas para irrigar a terra seca de Yumbel para a VII Região. Uma parte seria entregue à represa hidrelétrica de Colbún em troca dos direitos hídricos deste na cordilheira, para iniciar o estágio 2, de novos canais com água impulsionada pela gravidade ao norte, até o Mapocho, ao sul do planta de tratamento Santiago. Uma terceira seção começaria em um novo reservatório sobre o rio Cachapoal, na Cordilheira, enquanto a jusante do canal da segunda etapa substituiria as águas represadas. Esta terceira seção transportaria a água para a Região de Coquimbo, no reservatório de Corrales, de onde sairiam outros trechos, até a quinta etapa, que terminaria em Copiapó. Em cada uma das etapas, as águas seriam usadas para irrigação, purificação e indústria, e no caso do norte, também para mineração.

O projeto é engenhoso, mas de alto custo, pois requer milhares de quilômetros de canais para aproveitar as encostas. Ele é projetado de maneira modular, para que se possa começar fazendo apenas o primeiro estágio e, se for bem-sucedido, seguir em frente. No entanto, isso pode provocar algumas apreensões ambientais, porque embora os agricultores pensem que a água que vai para o mar é um recurso perdido, cumpre um papel ambiental e, ao diminuí-lo, os ecossistemas fluviais e as desembocaduras dos rios são vistos afetado No entanto, o fato de que apenas 8% da água do rio é necessária no inverno deve moderar esses medos; mesmo assim, é um fator a considerar. Finalmente, para o financiamento, seria necessário cobrar dos agricultores, e isso poderia constituir outro obstáculo. Em qualquer caso, é uma iniciativa interessante e deve ser estudada com cuidado.

fonte
O mercúrio

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A 5ª temporada de Better with Blueberries começa na Argentina

Cientistas peruanos recuperam e estudam mirtilos selvagens nativos de ...

Chile: cresce a exportação nacional de frutas para a China e em Biobío há alta ...