Chile: Qual é a situação da água no norte do país?

Desde o ano 2007, o norte do Chile tem experimentado uma situação difícil que afetou um grande número de agricultores, a falta de chuvas, resultando em uma seca severa.

A falta de chuva e de pouca neve significava que as reservas e degelos nos verões eram escassos, fazendo com que a água acumulada em trancos diminuísse gradualmente para níveis dramáticos. Assim, para o 2015, todas as tranques na região de Coquimbo tinham menos de 10% de sua capacidade de armazenamento.

Para conhecer um pouco mais sobre essa crise no norte do país sul-americano, em Portalfruticola.com conversamos com Juan Ferrada, gerente de produção da Tecnocitrus, que nos contou sobre as necessidades atuais da região.

"Essa seca fez com que a agricultura da região sofresse muitos prejuízos, muitos hectares de cultivos sensíveis, como o abacate, foram perdidos, mas também colheitas mais tolerantes, como uvas ou frutas cítricas.”, Relatou Ferrada.

Conforme indicado, um cadastro realizado pela Sociedade Agrícola do Norte, no total, fala-se em 31 mil hectares perdidos por ano 2015, devido à falta de água.

"Muitos hectares de vegetais também foram perdidos, os quais foram muito afetados nos últimos anos".

Embora durante a 2015 a região tenha recebido alguma chuva, não foi até o 2016 que os blocos em seu nível puderam ser recuperados um pouco.

"Foi melhorando a situação, mas não em todos deu uma visão otimista do futuro”, Disse Ferrada, acrescentando que hoje há muita incerteza.

Para este 2017, a situação tomou uma virada no norte do Chile, favorecendo os níveis de acumulação de água em todas as regiões da região.

Assim, até o momento, os reservatórios de Cogotí e Recoleta estão em sua capacidade máxima, enquanto o reservatório de Paloma, o maior, está em torno de 600 milhões de metros cúbicos com uma capacidade máxima de 750 milhões.

"Esta diferença está faltando, espera-se que seja concluída agora no mês de novembro, então esta barragem também estaria em sua capacidade máxima"Ele disse.

Ferrada continua comentando que “Esta é a situação atual, mas para o mundo agrícola, apesar de ser uma situação que nos dá alguma energia para avançar, ainda há incerteza sobre o que vai acontecer, como a verdadeira mudança climática será no curto ou médio prazo".

"A seca nos deu uma lição, não passou despercebida no que é o manejo da água das trancas".

La Paloma Reservoir, janeiro 2013

"Desde a barragem de Paloma existe, não houve gestão associada com a poupança e cuidar do recurso, sempre houve chuvas, esta seca nos ensinou que isso não poderia acontecer. Agora existe uma política de economia de água e maior eficiência na condução deste recurso"Ele explicou.

Algumas das medidas tomadas foram canais plastificantes, abobadados com concreto e, em alguns casos, tubos.

"Um resultado importante foi obtido, permitindo assegurar que a água atualmente acumulada possa durar por 5 anos".

Apesar disso, Juan Ferrada indicou que ainda há muito a ser feito, mas que são principalmente medidas que devem vir do Estado, como a construção de blocos menores que podem ser construídos na parte alta da cordilheira para que sejam capazes de Abastecimento de água a cada verão.

"Geralmente, há chuvas no inverno, mesmo que sejam baixas, mas ajudaria a dar segurança de irrigação às terras baixas".

"Um exemplo é o projeto tranque no rio Rapel, município de Montepatria, no qual não está avançando, está parado".

Muitos foram afetados por esse clima adverso, e vários viveiros sofreram as consequências de ter que fechar alguns deles devido à falta de demanda.

"No caso da Tecnocitrus, além de viveiros, temos algumas plantações, e nossa dedicação à cítrica, que teve uma demanda melhor, nos permitiu ficar no mercado, e poder esperar a mudança da situação, mas a crise levou a empréstimos pesados ​​e em muitos casos, perder propriedades"Disse Ferrada.

Ele acrescentou que a pesquisa sobre as culturas que têm rentabilidade e tolerância à seca são uma alternativa para a região.

Por exemplo, ele mencionou que a amendoeira tem tolerado mais estresse hídrico.

"É uma alternativa, mas culturas já sensíveis como abacate praticamente desapareceram e não há intenção de replantar de forma importante, ninguém quer arriscar".

"Os agricultores das regiões III e IV sofrem muito com a seca e acho que há uma falta de preocupação por parte do Estado. Fala-se muito, mas a seca está acontecendo e hoje não vemos atores do Estado propondo idéias sobre isso, eles têm que desempenhar um papel que tem a ver com a infraestrutura"Ele concluiu.

Fonte: Fruit Portal

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Onubafruit, o primeiro produtor de bagas em Espanha embora reduza 11%...
Grande participação da indústria no Fall Creek Field & Forum em G...
Agroexportadores pedem estabilidade política e social, segurança e infraestrutura...