Cristián Pichuante, AGV: "A qualidade das plantas determina em grande parte o seu potencial produtivo"

"Nosso desafio é continuar posicionando o Chile entre as potências da produção de plantas de qualidade"

O presidente da Associação Chilena de Viveiros (AGV), Cristián Pichuante, inaugurou a 5ª Convenção Internacional Agro Plant Ñuble, realizada online, da qual participaram diversas autoridades do setor agro-agrícola, lideradas pelo Ministro da Agricultura, Antonio Walker, o diretor do Serviço Agropecuário (SAG), Horacio Bórquez, e o presidente da Federação dos Exportadores de Frutas (Fedefruta), Jorge Valenzuela, entre outras autoridades.

“Em meio aos tempos desafiadores que se estendem, temos a sorte de pertencer à agricultura, sem dúvida uma das atividades menos impactadas pela pandemia mundial e que a maioria de nós desenvolve com paixão, transformando-se em uma filosofia de vida que não isento de altos e baixos reflete o grande compromisso que temos com nosso campo e nossa gente ”, foram suas palavras de abertura para uma audiência online que se estendeu por vários países da América Latina.

O executivo aproveitou para contextualizar o momento que vive o setor e os desafios que daí decorrem. “Nesse novo cenário, que já contempla as mudanças climáticas, e a escassez cada vez maior de água, os desafios da nossa agricultura passam também por assumir um papel mais protagonista nas mudanças que vivemos como sociedade, buscando assim gerar melhores oportunidades de trabalho, desenvolvimento e bem-estar para o nosso país ”, frisou.

Produza com responsabilidade

Cristian Pichuante comentou que, neste contexto de múltiplos desafios, a responsabilidade é continuar a melhorar os processos de produção, e nessa perspectiva relata que começaram a trabalhar num ambicioso projecto que lhes permitirá, a curto prazo, entregar fábricas com um selo de qualidade certificado, propagado em processos mais amigáveis, tanto no aspecto social quanto ambiental.

Ele explica que apesar das dificuldades que enfrentaram para realizar a indústria de viveiros, o sindicato conseguiu comercializar no Chile entre 2015 e 2019 mais de 134 milhões de fruteiras, o que significa cerca de 110 mil hectares.

Não apenas números

“Como pilar fundamental de qualquer projeto agrícola, o nosso campo assume especial relevância, pois a qualidade das plantas determina em grande parte o seu potencial produtivo”, frisou.

Pichuante, em seu discurso como anfitrião do encontro, faz um apelo para não ficar sozinho na realidade dos números e pergunta: Qual é o nosso desafio?

“Queremos continuar no caminho de posicionar o Chile entre as potências na produção de plantas de qualidade para o mercado nacional e uma plataforma externa para o mundo”, respondeu.

O presidente da AGV reconhece que o compromisso dos viveiros parceiros e o desenvolvimento de alianças estratégicas com outros setores têm sido muito importantes neste trabalho, “como o que temos com o ProChile, que são vitais”, afirma.

Plataforma global

Cristián Pichuante conclui explicando que para enfrentar os desafios da indústria de genética vegetal, o objetivo é se tornar uma “plataforma genética para o mundo” e lembra que em 2011 exportaram plantas no valor de US $ 11 milhões, e ocuparam a 44ª posição mundial . "Hoje podemos mostrar com orgulho que nosso sindicato conseguiu exportar mais de US $ 36 milhões em 2019, saltando para o 24º lugar como país exportador de plantas de alta qualidade."

De acordo com as projeções da Chilean Nursery Association para 2021, o Chile será de cerca de US $ 50 milhões em exportações de plantas de primeira qualidade para a indústria global.

fonte
Martín Carrillo O. - Consultoria Blueberries

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Freshuelva trata do problema do acondicionamento e do seguro das frutas ...

Peru: a evolução de uma super marca

Produção de mirtilo no México cresce 5 anos consecutivos