Juan Maria Rodríguez Borrero:

Crescer organicamente é um desafio diário e um estilo de vida

Rodríguez Borrero recebeu o prêmio Núñez del Prado da Ecovalia por sua carreira. “Há 8 anos calculamos a pegada de carbono e a pegada hídrica; não desperdiçar uma gota d'água é uma das nossas bases ”. Bagas enfrentam o desafio da embalagem

Fundador da Fazenda de frutas vermelhas Flor de Doñana, localizada no Parque Natural como diz seu nome, Juan María Rodríguez Borrero carrega com orgulho e convicção a marca ecológica, em seus frutos e no mais profundo de seu ser. Talvez seja o que tenha visto o júri dos Prémios Núñez del Prado da Associação Profissional Espanhola de Produção Orgânica Ecovalia, quando decidiu atribuir o precioso prémio a Juan María na modalidade Carreira.

A satisfação e o orgulho se misturaram em partes iguais nas palavras de agradecimento que a fundadora da Flor de Doñana dedicou na cerimônia de premiação, que aconteceu na cidade de Baena. A Flor de Doñana oferece produtos da agricultura sustentável, com produção 100% orgânica e busca inovar, buscando novos produtos e ingressando em mercados emergentes. Nesta entrevista vamos descobrir os detalhes.

–Você acaba de receber o prêmio internacional Núñez del Prado da Ecovalia, o que essa distinção significa para você e para Flor de Doñana?

–É um prêmio muito especial, para mim são como os Oscars do mundo ecológico, além disso sempre fui muito próximo da Ecovalia e da família Nuñez de Prado.

- Por que você opta pela agricultura orgânica?

–Eu sempre estive ligada ao Parque Nacional de Doñana e à atividade agrícola, aspirava dedicar-me a algo relacionado a ele. Finalmente estudei engenharia agrícola e estava claro para mim que deveria fazer isso da maneira mais respeitosa.

–Você se orgulha de ser 100% ecológico, sempre foi assim ou você começou aos poucos?

Sim, desde o início da empresa, há 22 anos. Aproveitamos um projeto da Junta de Andalucía para a promoção da agricultura ecológica que nos serviu de início. Crescer organicamente é um desafio diário, tem que acreditar nisso, além de uma questão meramente empresarial ou comercial, é um modo de vida. Saber que com a sua atividade está a ajudar a travar as alterações climáticas, a conservar o ecossistema do seu ambiente e a travar o despovoamento rural.

–O seu compromisso com a produção biológica passa também por uma filosofia de responsabilidade social com o compromisso de conciliar vida profissional e familiar, igualdade e relações justas entre os trabalhadores. Tudo isso, é possível concretizar ou às vezes permanece uma intenção? Como você conseguiu isso?

–É baseado no trabalho diário, de muitos anos. Promover um bom ambiente de trabalho é algo que começa de cima, isto requer muita comunicação com os colaboradores, ouvir as suas necessidades, esclarecer as regras de convivência, além de ter protocolos específicos e uma equipa de advogados para evitar abusos ou conflitos de qualquer tipo.

- Que variedades você usa para suas plantações orgânicas?

–Mainly Rociera em morangos, Versalhes e Majestic em framboesa e Snowshaser em mirtilo.

- Você testa novas variedades?

–Sim, de fato somos uma fazenda oficial da Junta de Andalucía para experimentação de novas variedades de frutas vermelhas orgânicas. Há muitos anos que colaboramos com a Ifapa. Bem como com diferentes universidades e organizações em projetos de novas variedades.

–O setor se depara com o desafio de buscar uma alternativa às embalagens plásticas, como você se prepara para esse desafio?

–É complicado porque os materiais biodegradáveis ​​não estão tão disponíveis como o plástico. Há 4 anos usamos banheiras biodegradáveis ​​e compostáveis, provenientes de florestas sustentáveis ​​certificadas. O preço desse tipo de material em alguns casos é até 11 vezes superior ao do R-PET.

–E na questão da água existem alguns conflitos nos arredores do Parque Nacional de Doñana com o medo da sobreexploração dos aquíferos, como resolvem o abastecimento das vossas culturas?

–Temos poços legais e uma comunidade de irrigadores. Para nós, não desperdiçar uma gota d'água é uma das nossas principais bases. Para isso, há 8 anos calculamos, além da Pegada de Carbono, a nossa Pegada Hídrica, para sabermos como melhorar campanha após campanha.

–Eles expandiram seu portfólio de produtos com o primeiro vinho tinto orgânico da província de Huelva. Nessa área eles têm mais projetos, fale um pouco mais adiante.

- Devido à pandemia paralisamos um pouco tudo, também estamos preparando um vinagre, mas não sabemos a data exata de lançamento.

Mercados para orgânicos

–Como estão as vendas online a funcionar? Que porcentagem da venda total isso representa?

–Nós estamos com a loja online desde 2017, e ela cresceu 25% no ano passado. Para nós é um serviço, uma forma de levar o frutas vermelhas ecológico para quem quiser compará-los.

–Onde vende as suas bagas, em que países? Você tem planos de abrir novos mercados?

–Em toda a União Europeia: Reino Unido, Suíça, Alemanha, Holanda… Queremos exportar algo para o Sudeste Asiático, mas ainda é um projeto.

–Quantas cooperativas a Flor de Doñana constituem e que área ocupam?

–É um SL e temos cerca de 100 hectares.

- Qual produção e quais vendas você teve no ano passado?

-A produção foi superior a 4 milhões de quilos e isso significou vendas avaliadas em cerca de 17 milhões de euros.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

México: Tudo pronto! Aproveite o Berry Festival 2024 em Zacatlán,...
O futuro da agricultura no Peru depende do cuidado das abelhas: isso...
“Na crise peruana, e agora no México, 80% é consequência da gestão...