Diretor Executivo do Comitê de Mirtilo no Global Berry Congress 2022: “Estamos otimistas com esta nova temporada. Teremos condições de chegar com frutas de qualidade mais consistentes”

A indústria mundial de bagas reuniu-se em Roterdão, numa nova edição do Global Berry Congress. O evento foi realizado na terça-feira, 15 de novembro, onde o diretor executivo do Comitê Chileno de Mirtilo-ASOEX, Andrés Armstrong, teve uma destacada participação como palestrante.

Armstrong fez parte do bloco "Novas Oportunidades de Mercado", onde foi entrevistado por Maura Maxwell, abordando o tema "Um olhar sobre o negócio atual dos mirtilos chilenos", oportunidade em que destacou o trabalho da indústria chilena para aprimorar a qualidade e promover o consumo de mirtilo.

“Hoje, a indústria do mirtilo a nível mundial está a aumentar em volumes, mas também na entrada de novos players, com novas variedades e com bom acesso aos mercados. Por isso, é fundamental ter frutas de qualidade para poder competir, e esse tem sido o trabalho que o Comitê vem desenvolvendo junto com seus associados desde a sua criação. Um trabalho que se consubstancia no Sistema de Qualidade da Comissão, ao abrigo do qual são promovidas, por exemplo, aquelas variedades que permitem uma boa qualidade e condições de chegada. Deixar variedades fora da paleta de exportação in natura explica a queda na estimativa para esta temporada de exportação e o crescimento nos embarques de mirtilos congelados. No curto prazo reduzimos os volumes”, especificou o diretor executivo do Comitê em sua apresentação.

Refira-se que o Comité fez uma estimativa de exportações para esta época 2022-2023 de 98.228 toneladas, valor que representa uma quebra de 8% face à época anterior. Ao mesmo tempo, projetava-se um crescimento de 14% nos mirtilos congelados, chegando a 60 mil toneladas.

Otimismo

Da mesma forma, destacou que há uma visão positiva desta temporada: “Independentemente dos aumentos de produção em outros países e da maior competição que isso implica, nesta temporada estamos otimistas, pois há um cenário melhor em relação à temporada passada. Por um lado, o mundo caminha para a normalidade após a pandemia de Covid, mas também internamente vemos uma maior disponibilidade de trabalhadores para o processo de colheita, embalagem e exportação. Também há esforços na logística que nos permitirão chegar mais rapidamente aos nossos destinos, como é o caso do serviço Blueberry Express, que inclui embarques de nossos mirtilos frescos em navios refrigerados do porto de Coronel ao porto de Gloucester, nos Estados Unidos. .

O representante também destacou que, no caso das exportações para a Ásia, os mirtilos chilenos acompanham as cerejas no serviço Cherry Express, o que nos permite chegar mais rápido ao nosso destino, o que é fundamental para uma melhor condição da fruta. “No caso da Europa, vemos que a logística portuária está melhorando, o que também nos deixa mais otimistas de que conseguiremos atingir diversos mercados com nossos mirtilos”, destacou.

Quanto às promoções, indicou que o consumo será reforçado por meio de programas promocionais. “Nesta temporada vamos focar nossas promoções em alguns mercados específicos como Coreia do Sul, Alemanha e Estados Unidos, focando principalmente em lojas de varejo”.

Abertura de mercado e colaboração internacional

No entanto, sobre a abertura de novos mercados e o aumento dos embarques para determinadas áreas nesta temporada, Armstrong destacou que “a maior parte do trabalho para obter acesso aos mercados mundiais de mirtilos chilenos já foi feita. Um dos últimos mercados a se abrir foi a Índia, e antes disso a Coréia e a China, que já são os principais mercados para os mirtilos chilenos na Ásia. A Índia tem um potencial que precisa ser abordado à medida que as soluções de logística aumentam. O Sudeste Asiático também está na curva de crescimento. Hoje estamos trabalhando para ter acordos fitossanitários com a Nova Zelândia e o Vietnã”.

O dirigente também se pronunciou a favor de uma maior colaboração internacional entre os países produtores e exportadores de mirtilo, sobretudo num contexto de rápido aumento dos volumes deste fruto a nível mundial. “Embora, sempre haja espaço para mais colaboração. A boa notícia é que os produtores e exportadores de mirtilo estão organizados em diferentes países, o que é crucial quando se pensa em colaboração em nível nacional. Existem dois lugares onde diferentes países estão trabalhando juntos, um é a International Blueberry Organization (IBO), que tem como foco melhorar as informações sobre o crescimento da produção em todo o mundo e disponibilizá-las a todos os participantes da indústria para melhorar os processos de tomada de decisão . E o outro é o US Highbush Blueberry Council, no qual tanto a produção nacional quanto a importada, fresca e congelada, contribuem e colaboram em prol da indústria do mirtilo. O objetivo é pesquisar os benefícios para a saúde e o aumento do consumo, principalmente no mercado americano, mas o programa internacional também está sendo reforçado”, encerrou.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

No Chile, neste 11 de abril, duas indústrias de sucesso se encontraram
O Instituto de Extensão de Ciências Agrárias e Alimentares da Universidade...
Cerejas, uma temporada de sucesso que será analisada no encontro deste 1...