A ascensão de Marrocos: o pólo atrativo de investimento para a exportação de mirtilos

A área de mirtilos plantados no país africano aumentou 15.37 vezes desde 2005, quando começaram as primeiras plantações do fruto azul. Mais de 15 anos depois, sua localização privilegiada e condições político-ambientais aumentam continuamente sua produção anual.

Situado no Norte de África, numa localização privilegiada com acesso aos mercados asiático, europeu e africano, Marrocos construiu lentamente uma reputação pela sua produção de mirtilo.

Em 2005, um punhado de produtores começou a cultivar essa fruta. Nos primeiros dez anos o crescimento homólogo foi pequeno mas constante, enquanto os produtores locais se familiarizaram com esta nova baga, o seu comportamento e as necessidades que tinha, nessa altura, na principal zona produtora do país: Loukos Gharb, no norte do país. .

No entanto, a partir de 2015 o crescimento foi exponencial. O aumento da superfície interanual teve um boom, atingindo um crescimento de até 500 hectares por ano. Isto foi impulsionado pela chegada de capitais estrangeiros a Marrocos, que, juntamente com agricultores já experientes, aumentaram as plantações da fruta em Loukos Gharb e criaram novas áreas de cultivo em Agadir, no centro-norte do reino, e Dakhla ao sul. Em 2020, conseguiram produzir 35.100 toneladas de mirtilos, 19 vezes mais do que o obtido em 2005.

Apesar de 80% das plantações de bagas marroquinas serem inferiores a cinco hectares, desenvolveu-se um mercado de insumos agrícolas capaz de abastecer esta indústria em crescimento. Empresas agroquímicas, tecnologias e estruturas agrícolas chegaram ao país africano após investimentos estrangeiros que veem os seguintes benefícios no Marrocos.

recursos à mão

O clima, a mão de obra e a água são recursos que não faltam no país africano, e que só beneficiam a produção de mirtilo.

Loukos Gharb desfruta de um clima mediterrâneo, enquanto o deslocamento para o sul traz temperaturas mais altas e menos chance de chuva nas outras áreas produtoras de Agadir e Dakhla. Em geral, as temperaturas mínimas atingem entre 5 e 15°C, criando uma diferença de temperatura com o dia que é suficiente para criar frutas saborosas.

O boom de bagas no país também é explicado pela alta disponibilidade de mão de obra a um valor "razoável", como descreveu o Sr. Amine Bennani, presidente da Associação Marroquina de Produtores de Frutas Vermelhas (AMPFR), na Blue Magazine. O reino conta com uma mão de obra jovem e experiente, com amplo conhecimento técnico agrícola. A disponibilidade é tão grande que, durante a temporada espanhola, cerca de 2000 trabalhadores atravessam o Mediterrâneo para trabalhar nos campos do sul do país europeu.

Finalmente, ao contrário de outros países, a mudança climática ainda não causou estragos naquela região. Loukos Gharb e Dakhla têm disponibilidade de água para uso agrícola, enquanto em áreas onde é mais escassa, como Agadir, há infraestrutura para irrigar os campos através de usinas de dessalinização.

localização é tudo

Embora não tenham ficado imunes às consequências da pandemia, a localização geográfica do Reino de Marrocos favorece-o para a exportação de fruta fresca para mercados de elevado valor. “Da fazenda ao consumidor na Europa levamos 4 dias, para a Rússia 6 dias”, afirmou o Sr. Bennani da AMPFR na revista.

O crescimento dos mirtilos no Marrocos impulsionou a exportação de frutas frescas em detrimento das congeladas. A qualidade de seus frutos ganhou espaço no mercado europeu, que recebe cerca de 90% de sua produção, tendo como principais destinos Espanha, Inglaterra, Holanda, Alemanha e França.

A sua localização no globo também lhe confere vantagens para chegar aos mercados da América do Norte (Estados Unidos, Canadá) e Ásia (principalmente China) com produtos frescos e congelados. Essas exportações foram as mais afetadas pela pandemia, pois, após o fechamento do espaço aéreo, as cargas de mirtilo não puderam ser despachadas do aeroporto de Casablanca para os mercados asiáticos.

Todo o avanço no mercado internacional de mirtilo foi auxiliado pelos acordos comerciais firmados com a União Européia, Turquia, Estados Unidos e Emirados Árabes Unidos, por exemplo. Esses acordos não são apenas um impulso econômico, mas também uma garantia da qualidade de seu produto, pois deve obedecer a regulamentações rígidas como a europeia.

Redes de suporte

Portos de grande capacidade, extensas rodovias, infraestrutura hídrica e benefícios fiscais fazem parte do contexto sociopolítico que tem promovido o Reino do Marrocos para o desenvolvimento do agronegócio no país.

Além disso, a produção de bagas está associada à Federação Interproberry, que por sua vez promove a produção de frutos vermelhos marroquinos através da Associação Marroquina de Produtores de Frutos Vermelhos (AMPFR) e na valorização do produto de exportação com a Associação Marroquina. empacotadores-exportadores (AMCEF).

O país tem 1800 quilômetros de rodovias e um dos maiores portos da África, Tanger-Med, próximo a Agadir. Soma-se a esses benefícios a exceção da cobrança de impostos sobre insumos agrícolas.

Perspectiva atual

A pandemia afetou não apenas as exportações para destinos mais distantes por via aérea, mas também a dinâmica trabalhista dentro das fazendas, que tiveram que respeitar as rigorosas medidas sanitárias do Reino de Marrocos.

No entanto, a indústria marroquina continua ambiciosa. Sem ficar atrás das tendências mundiais, procuram aumentar a disponibilidade varietal do país, de forma a ter disponibilidade de mirtilos durante todo o ano. As áreas do sul, como Dakhla, começam em outubro, enquanto as do norte em janeiro, atingindo um pico em março e terminando em julho. Agora, empresas estrangeiras estão trabalhando para criar lavouras nas terras altas do país, que podem iniciar a produção em agosto, fechando um ciclo anual de produção.

Práticas técnicas como o uso de substratos em novas lavouras no sul do país surpreendem com seus resultados de qualidade. Mais informações sobre a evolução e as oportunidades deste mercado serão discutidas no XXII Seminário Internacional de Mirtilos Marrocos, em 9 de junho no hotel Hyatt Regency em Casablanca.

fonte
Catalina Pérez Ruiz- Consultoria de Mirtilos

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Muitos atores garantem a disponibilidade de mirtilos nos EUA.
Mirtilos dos EUA recebem um aumento de US$ 1,3 milhão
A inteligência artificial transformará o monitoramento do mirtilo