Congestionamentos de tráfego portuário podem afetar as condições de exportação de frutas frescas

O atraso nas operações portuárias tem feito com que importadores e exportadores de hortifrutigranjeiros prefiram o transporte aéreo.

A pandemia interrompeu a coreografia rítmica dos movimentos portuários, aumentando o tempo que uma carga leva para chegar ao seu destino. São esses dias a mais que colocam em risco a qualidade das exportações, como as frutas frescas. Nas longas filas para descarregar o produto, a fruta pode amadurecer demais ou estragar.

Foi a falta de estivadores devido às restrições sanitárias aliadas ao efeito de quarentenas e benefícios sociais, que aumentaram a demanda por produtos no mercado, fazendo com que os portos norte-americanos tivessem dezenas de navios esperando para descarregar contêineres. E a globalização causou um efeito dominó, afetando as operações portuárias mundiais.

De acordo com o Financial Times publicado em agosto, cerca de 350 navios aguardam sua vez para carregar ou descarregar contêineres em portos de todo o mundo.

"Como o envio e a entrega demoram mais de um mês, houve casos em que a fruta estragou ou ficou menos fresca antes de chegar à Coréia", disse um porta-voz da Emart, uma rede de supermercados coreana, à Korea Joongang. "Em vez de embarques marítimos, estamos trabalhando rapidamente para aumentar a proporção de embarques aéreos."

Se antes demorava 40 dias para as cerejas e mirtilos chilenos chegarem à Coréia, agora são necessários apenas 4 a 5 dias de carga aérea. Da Califórnia, leva de 3 a 4 dias para uvas de avião, dez vezes menos do que de navio.

“Demora menos de uma semana para as frutas chegarem a cada uma de nossas filiais do país de origem, e é mais fresco do que obtê-las por frete marítimo”, informa o porta-voz da Emart ao Korea Joongag Daily.

Neste ano, a proporção de produtos recebidos por avião na Emart aumentou 26% em relação ao ano passado.

O congestionamento portuário criou uma tendência crescente de preferência pelo transporte aéreo ao transporte marítimo. Embora a primeira opção seja mais cara, muitas empresas estão optando por arcar com esse custo em vez de arriscar perder mais investimento esperando que seus produtos frescos entrem no porto de destino.

fonte
Catalina Pérez R. - Consultoria de mirtilos

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Driscoll's concorda com os termos da aquisição da Berry Gardens

Análise do panorama mundial da produção de mirtilo

Paula del Valle analisará as variedades do Peru e seu post...