Fundos estrangeiros adquirem grandes empresas chilenas de frutas

São compras ou operações financeiras muito grandes e surpreendentes, todas feitas em curto prazo, e segundo as projeções vão se multiplicar com o tempo, porque se trata de garantir investimentos em uma área apontada como de grande rentabilidade futura, como a fruticultura. comida.

Nos últimos tempos, houve vários casos de forte investimento estrangeiro no setor frutícola chileno, especialmente na compra de grandes empresas do setor ou no aumento considerável da participação nas mesmas.

A norte-americana Frutura está comprando a produtora e exportadora chilena Giddings Fruit. Anteriormente, esta mesma empresa comprou a empresa Subsole, líder no mercado de uva de mesa. Segundo o El Financiero, a empresa chilena Unifrutti também foi adquirida por um fundo de Abu Dhabi e um importante capital estrangeiro entrou em David del Curto.

grandes capitais

Já a canadense PSP Investments aumentou abruptamente sua participação na renomada empresa chilena Hortifrut, passando de um controle de apenas 4,88% para mais de 49%, em uma operação próxima a US$ 420 milhões.

São compras ou operações financeiras muito grandes e surpreendentes, todas feitas em curto prazo, e segundo as projeções vão se multiplicar com o tempo, porque se trata de garantir investimentos em uma área apontada como de grande rentabilidade futura, como a fruticultura. comida.

demanda de alimentos

Esta projeção de rentabilidade é baseada no aumento explosivo da humanidade no curto prazo e na necessidade de alimentar bilhões de pessoas com praticamente a mesma superfície de terra, por isso essas empresas de produção industrial, especialistas em alcançar grandes rendimentos com a aplicação de alta tecnologia e modernos sistemas de produção, são altamente valorizados para grandes investidores no futuro.

Estamos falando de um cenário de 10 bilhões de pessoas nos próximos 25 anos, que demandarão o dobro da produção de alimentos da atual.

realidade continental

Embora essa situação seja surpreendente, não deveria ser, pois já se repetiu em vários países da América Latina, como Equador, Colomba, Uruguai e Peru.Na verdade, o mesmo fundo PSP, que aumentou sua participação na Hortifrut, já havia comprado a Companhia Berries Peú – Olmos, controlada pela própria Hortifrut no Peru. O mesmo com a Frutura, que já adquiriu outras grandes empresas de frutas no Uruguai e no Peru.

Estas operações também não devem ser uma surpresa, já que de fato o setor frutícola latino-americano tem grande estabilidade e sustentabilidade como atividade produtiva e industrial e é chamado a desempenhar um papel de grande protagonismo em um cenário futuro de alta demanda por alimentos, devido ao solo , pelo clima, pela experiência e versatilidade de produtos em seus portfólios de exportação.

fonte
Consultoria Blueberries

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Cerejas chilenas: uma temporada discutível
Os mirtilos de Yunnan estão atualmente em sua última temporada...
Agrivoltaicos para frutas vermelhas