Juan José Flores, diretor de Aneberries:

"É preciso ficar atento ao crescimento do Peru..."

“Devemos ser muito responsáveis ​​em cuidar desse setor para que ele continue sendo um setor lucrativo e sustentável. Temos que concordar em não levar para um produto que vira commodity”

No contexto do andamento do Blueberry World Tour, cujo próximo destino será o XXII Seminário Internacional de Blueberry a ser realizado nos dias 25 e 26 de maio em Guadalajara, Juan José Flores, diretor da Aneberries, convida a indústria internacional de mirtilo a acordar e gerir em conjunto na perspectiva da responsabilidade e da promoção do aumento do consumo, como principais eixos estratégicos de desenvolvimento.

Crescimento versus consumo

Conversamos com o experiente executivo mexicano sobre suas expectativas em relação ao Seminário de Guadalajara e quais seriam os principais objetivos da Aneberries para o encontro.

A realização deste tipo de formação organizada pela Blueberries Consulting, através destes seminários especializados, traz sempre um benefício para os locais onde se realiza, e em particular para o campo da produção de mirtilo aqui no México.

Acredito que uma das questões importantes é analisar o cenário de produção mundial e o crescimento que cada um dos países está vivenciando, claro que hoje devemos estar atentos ao crescimento do Peru. Acho que através da International Blueberry Organization e dos próprios North American Blueberry Councils, tanto o North American Council quanto o United States Highbush Blueberry Council, todos juntos devemos prestar atenção ao que está acontecendo com crescimento versus consumo. Devemos ser muito responsáveis ​​no cuidado deste setor para que continue sendo um setor rentável e sustentável. Temos que concordar em não levar isso para um produto que se torna comodity.Então é muito relevante que todos nós concordemos em fazer uma grande promoção para aumentar o consumo, porque o consumo não está crescendo na mesma proporção que as superfícies crescem.

A visão de Juan José Flores é muito clara e visa organizar a indústria do mirtilo globalmente com vista a fazer acordos internacionais e implementá-los em cada país, para promover e promover o consumo da fruta e, acima de tudo, o crescimento responsável da colheita.

O executivo da poderosa organização mexicana também se refere aos objetivos de melhorar a qualidade da safra e destaca outros aspectos que também devem ser considerados na determinação da qualidade do processo de produção de mirtilo para o mundo.

Cuide da verdadeira qualidade

A outra coisa importante, e super relevante, é que temos que cuidar da qualidade da fruta, mas da qualidade – além daquela dada pela própria genética, em termos de sabor, em termos de apresentação física, ou em em termos de beleza – Temos que ter muita responsabilidade na produção, no cuidado com as pessoas, no cuidado com o meio ambiente e no cuidado com os recursos naturais em geral. Então, entenda que um setor que quer se manter no tempo e ser verdadeiramente sustentável, deve planejar o crescimento com base no que é feito para aumentar seu consumo no mercado.

Acredito que embora façamos parte de uma grande organização (quase todos os países do IBO) e todos estejamos trabalhando para aumentar o consumo nos Estados Unidos, não há responsabilidade como tal de garantir que isso continue sendo lucrativo, em suma , eu diria que é muito importante que todos os atores dêem a importância que isso tem dentro do conceito de cuidar do meio ambiente, cuidar dos recursos.

Você tem que trabalhar para encantar o consumidor, para encantá-lo e para dizer a ele: "isso é sinônimo de saúde, isso é sinônimo de nutrição e isso é sinônimo de fortalecimento do seu sistema imunológico, mas também tem o cuidado de trazer o bem social e econômico -ser às populações onde as culturas são desenvolvidas”, e acho que ainda há desafios aí…

Juan José Flores, como diretor de uma das maiores organizações de produtores de bagas, sempre manteve uma visão global do setor, buscando o benefício de todos os atores, e se destacou por sua visão baseada no impacto social e no valor econômico do benefício que o mirtilo meios de cultivo para os participantes nas diferentes etapas do processo de produção.

“Nossa abordagem tem que ser pensada como uma política global de aumento do consumo, mas de um produto que está devolvendo bem-estar ao campo onde é produzido, incluindo o meio ambiente e as comunidades”, conclui.

fonte
Martin Carrillo O.- Consultoria de Mirtilos

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Em julho, a FAO México conclui estudo de zoneamento agroecológico em J...
Professor Bruno Mezzetti estará na Blueberry Arena na Macfrut 2024
“França e Bélgica permanecem territórios inexplorados para...