Hortifrut no Chile indica deterioração nas plantações nos últimos 12 meses para cerca de 55 milhões de dólares

A empresa Hortifrut informou a Comissão para o Mercado Financeiro (CMF) de uma discrepância com o representante dos obrigacionistas devido à deterioração das plantações nos últimos 12 meses por cerca de 55 milhões de dólares, sobre se os contratos de emissão permitem que essa deterioração possa ser somada ao cálculo do EBITDA ajustado, “como é feito com as depreciações e amortizações. Se a opinião do RTB prevalecer, a Companhia não cumpriria esta Pacto financeiro".

A Hortifrut esclareceu, porém, que “a discrepância está apenas no nível de medição do cálculo do EBITDA ajustado. A deterioração das plantações não afeta o caixa ou os negócios recorrentes da Companhia, portanto, não afeta sua capacidade de cumprir suas obrigações financeiras."

“A empresa está trabalhando com o RTB para resolver essa divergência e, se necessário, solicitará a convocação de uma assembleia de Bondholders para relatar a situação e solicitar as anuências e/ou modificações exigidas nos Contratos de Emissão”, disse Juan Ignacio Allende Connelly, gerente geral da Hortifrut.

A deterioração das lavouras deveu-se principalmente às trocas varietais por plantas com melhor genética. “Como líder mundial no mercado de bagas, a empresa possui um modelo de negócios baseado na qualidade de seus ativos biológicos. De forma recorrente, a Hortifrut avalia o desempenho de seus plantios, o que envolve substituições varietais e testes de deterioração das plantas. O acima visa, entre outros, chegar aos clientes finais com o melhor produto, otimizar a produtividade, aumentar a eficiência e manter o valor do ativo atualizado”, afirmou a empresa em Fato Essencial.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Chile: "Abastecer um mercado 'faminto' por cerejas e, ao mesmo tempo...
Produção de mirtilo avança no Brasil
Embalagem 2.0: inventam hidrogel que retarda o apodrecimento das frutas