Importações de hortaliças do Marrocos não apresentarão variação de preços ao entrar na Europa

A Comissão Europeia não tenciona introduzir alterações no actual regime de direitos aduaneiros e preços de entrada aplicáveis ​​às importações de produtos hortícolas de Marrocos.

Considera que o sistema funciona de forma transparente e lembra que foi alterado em 2014 devido a reclamações de importadores que evitavam o pagamento de alguns direitos de importação.

Foi assim que o Comissário Europeu para a Agricultura, Janusz Wojciechowski, respondeu a uma pergunta do eurodeputado espanhol Mazaly Aguilar. Nele, o parlamentar destaca as queixas apresentadas por associações de agricultores espanholas ao Organismo Europeu de Luta Antifraude (OLAF) por "certas práticas alegadamente fraudulentas por parte de Marrocos para evitar o pagamento de direitos aduaneiros na exportação para a União Europeia de produtos agroalimentares ”.

Ele também perguntou sobre os números específicos de importação de frutas e produtos hortícolas do Marrocos desde 2015. Por fim, ele queria saber os valores pagos pelas empresas que importam produtos agrícolas marroquinos (como direitos aduaneiros).

"Ajuda" da UE

Em sua resposta, Wojciechowski aponta que “os produtores de XNUMX frutas e vegetais recebem ajuda da UE por meio de tarifas ad valorem sobre as importações e o sistema de preços de entrada. Este sistema já foi melhorado e simplificado em 2014, nomeadamente com a eliminação do chamado método de “preços dedutivos”, que suscitou acusações de permitir aos importadores evitar alguns direitos de importação que de outra forma teriam de pagar.

No sistema atual, o preço de cálculo do desembaraço aduaneiro é a fatura da remessa individual ou o valor global de importação. A Comissão Europeia publica diariamente o valor forfetário de importação por produto e país de origem, calculado a partir dos preços representativos dos produtos importados notificados pelos Estados-Membros à Comissão ”, de acordo com a regulamentação comunitária.

“De momento - acrescenta - a Comissão não prevê qualquer alteração ao sistema existente”.

Importações do Marrocos crescem

Relativamente às importações de frutas e legumes de Marrocos, a Comissão salienta que “aumentaram nos últimos anos, passando de 1 milhão de toneladas de importações em 2015, num valor aproximado de 1.200 milhões de euros, para 1,3 milhões de toneladas de importações em 2019, para um valor aproximado de 1.700 milhões de euros, o que representa um acréscimo de 33% e 40%, respetivamente ”.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Chile atinge recorde histórico nas exportações de frutas frescas
Os frutos vermelhos impulsionam as exportações agroalimentares de Huelva...
Existem alternativas ao plástico?