Jorge Valenzuela, Presidente da Fedefruta Chile: “Hoje a questão logística é o que mais nos preocupa”

Em conversa com The AgroSobre a atual temporada, o dirigente sindical destacou que “tem havido uma redistribuição de pessoas, o que não impactou na colheita da cereja, que é bastante ativa, como o mirtilo. No inverno falávamos uns 50 ou 70% de falta de mão de obra, tinha problemas com frutas cítricas, mas agora com fruta fresca não estamos vendo, tendo aumento sim, de custo, mas estamos em bom estado de fruta".

Ele relatou que a colheita está indo bem, mas há outras tarefas agrícolas que não podem ser feitas porque agora as pessoas migraram para a colheita. “Por exemplo, a uva de mesa e toda a questão dos arranjos dos cachos é tão importante para ter bons frutos, mas aí estamos com problemas”, disse.

Da mesma forma, indicou que em termos de estado (qualidade) dos frutos está bastante bom e se projeta uma boa pós-colheita. A menos que haja um evento climático, a temporada atual é muito boa em termos de produção.

“Hoje a questão logística é o que mais nos preocupa, há um aumento no preço dos contêineres do dobro e até do triplo, mas também dos materiais. E os outros que estamos vendo com preocupação é o que acontecerá com a variante Omicron, se não for causar o fechamento de alguns portos ”, disse Jorge Valenzuela.

“Tenho muita confiança nas empresas de navegação para resolver esses problemas. A maior parte dos insumos para a produção de frutas vem do exterior e isso tem aumentado muito o custo e a disponibilidade, então espero que tudo se normalize. Mas a situação no ano passado foi pior ", acrescentou.

Ele disse que, do ponto de vista da nossa imagem, como provedor seguro não foi afetado. “Cumprimos todos os nossos compromissos, apesar do encerramento de alguns portos e também implementamos o manejo pós-colheita da fruta, que permite até consumir até 40 dias depois.”

Cerejas

A cereja será a estrela de novo. Estamos com uma qualidade excepcional de cereja. Hoje temos menos quantidade, mas melhor qualidade para a China e Ásia, mas estamos tentando diversificar nossos mercados.

Vírus fitopatogênico

Trabalhamos o ano todo para estabelecer um protocolo de embarques. Ele está em desenvolvimento. As amostras são feitas nos pomares e também nas embalagens. É muito importante que todos os produtores realizem a pesquisa para o aperfeiçoamento deste protocolo.

Onda de calor

A semana passada foi incomum, mas cada vez mais comum. A mudança climática tem essas ondas de calor bem cedo, em dezembro, o que é incomum, e além disso estamos vendo águas glaciais nos rios, o que é preocupante porque estamos esgotando as reservas. No Chile existem 7 mil geleiras e o que não podemos fazer é esgotar as reservas de água.

Uma das soluções é a implantação de sistemas modernizados de irrigação e eficiência hídrica, mas a outra é como geramos novas fontes de água. Plantas de dessalinização, aprofundamento de aqüíferos, etc.

Pandemia

Ele tem colocado pressão sobre a gente na questão de logística, continuidade de materiais, disponibilidade de contêineres e, principalmente, para frutas de entressafra, veja o que acontece com os brotos e a situação nos portos.

Candidaturas presidenciais

Ambos são fracos em questões agrícolas. Gostaria que se explorasse muito mais a questão da água, como vai enfrentar as mudanças climáticas e também o mundo rural. Espero que um futuro governo crie em nós agricultores, geramos 700 mil empregos diretos só na fruta e que isso tenha quase 3 milhões de chilenos que vivem da fruta de Arica a Punta Arenas.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A crise agroalimentar piora após sete meses de guerra no...

Family Farms vai importar 405.000 plantas de mirtilo do Chile por terra

Figuras de mirtilo no mercado dos Estados Unidos