Conferência Profissional de Abacate: "Estratégias e métodos devem ser estabelecidos desde a pré-colheita ..."

"A que distância estamos? Bastante longe! (...) Estamos nos aproximando da vida útil quase total do produto, ou seja, podemos estar bem próximos de 55, 60 ou até mais dias, então o desafio é grande ”.

Um intenso encontro internacional para profissionais do abacate organizou e realizou Seminários Agrícolas. A iniciativa foi muito bem recebida pelos produtores e participantes do setor, que avaliaram com excelência os temas abordados e a qualidade dos expositores.

O seminário abordou questões relacionadas principalmente à heterogeneidade do produto, ao processo produtivo em todas as suas etapas e aos diversos fatores envolvidos na produtividade, suavização, qualidade ou desenvolvimento de doenças, entre muitos outros temas.

Abordagem abrangente para o cultivo

As palestras estiveram intimamente ligadas entre si, abordando os diferentes aspectos ou áreas da cultura de forma abrangente, desde o uso eficiente de tecnologias de pós-colheita, tempo de maturação, bases para entender firmeza e amolecimento, nutrição mineral para melhorar a produção e qualidade; e doenças no manejo pós-colheita.

Os temas foram apresentados pelos pesquisadores e acadêmicos Bruno Defilippi, Romina Pedreschi, Reinaldo Campos, José Ignacio Covarrubias e Paulina Sepúlveda, do mundo da pesquisa em biotecnologia vegetal, pós-colheita, fitopatologia e fruticultura, entre outras disciplinas.

Tempos e vida útil

O professor Defilippi, no início do encontro, fez um referencial sobre o estado da safra e os desafios que os países produtores latino-americanos enfrentam para chegar a mercados de destino distantes com frutas de qualidade.

“Tanto o Chile quanto o Peru, e mesmo a Colômbia, estão bastante distantes dos mercados, o que condiciona muito a chegada de frutas de qualidade, por isso estratégias e métodos devem ser estabelecidos desde a pré-colheita para se obter um bom produto na colheita.

A que distância estamos? Bastante longe! Vai depender do país e dos processos de cada um, incluindo colheita, chegada aos locais de embalagem, o tempo que leva para despachar aquela fruta em um container, e depois a viagem até o mercado de destino, enfim se houver agrega ou faz a média do que é preciso para um abacate chegar ao consumidor, estamos quase próximos do prazo de validade do produto, ou seja, podemos estar bem próximos de 55, 60 ou até mais dias, que é próximo a a vida útil, então o desafio é grande ”.

Quando falamos em prazo de validade, estamos falando de um produto que deve ter uma boa aparência, bom gosto e acima de tudo uma boa contribuição nutricional, pois as pessoas consomem abacate ou abacate em benefício da saúde.

Heterogeneidade no destino

Nesta última perspectiva, referindo-se às condições nutricionais e qualidades intrínsecas do produto, a Dra. Romina Pedreschi, defende que são precisamente essas qualidades que são fatores de um comportamento desigual na fase de pós-colheita, resultando numa heterogeneidade na qualidade do produto que não é observado na fase de colheita, nem mesmo na embalagem, mas infelizmente manifesta sua evidência no destino.

Saber lidar

Muitos foram os fatores e detalhes que os participantes puderam conhecer do cultivo e os pesquisadores se encarregaram de aprofundar em cada um deles, pois para o professor Reinaldo Sánchez, interpretando o objetivo do encontro, afirma que: “Se você sabe o que você cultiva e entende, você pode manejar, você pode adaptar, você pode manipular, ou então é uma grande tentativa e erro que muitas vezes nos leva a situações bastante complexas ”.

Conhecimento e tecnologia

Além dos tópicos abordados em cada palestra, outros múltiplos aspectos surgiram nas rodadas de perguntas, então este primeiro encontro organizado pelos Seminários Agrícolas certamente será apenas o começo para apoiar a poderosa indústria latino-americana de abacate Hass.

Parafraseando o Dr. Defilippi: “A indústria da fruta é muito dinâmica e deve estar preparada para responder às mudanças, sejam nos mercados ou impostas pelo meio ambiente. Para responder a estas mudanças, ter uma boa base de conhecimentos é o principal para poder propor modificações e para a implementação de novas tecnologias ou processos ”.

fonte
Martín Carrillo O. - Consultoria Blueberries

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Do lado positivo, as colheitas de mirtilo terminam no Chile

Freshuelva e Extenda assinam acordo para valorizar o cenário internacional ...

O Serviço de Limpeza de Frutas oferece uma alternativa para frutas vermelhas com problema ...