A crise agroalimentar piora após sete meses de guerra na Ucrânia

A crise na agricultura e na alimentação devido à guerra na Ucrânia agrava-se e supera as previsões desde o início do conflito, há sete meses, e enquanto em Espanha se manifesta na subida dos preços noutras zonas do mundo, a refeições.

A invasão russa, em 24 de fevereiro, disparou alarmes no comércio agrícola mundial e, até o momento, fontes do setor agrícola espanhol concluem, em declarações à Efeagro, que muitos desses temores do início da guerra se confirmaram, embora ao momento há uma oferta.

Em Espanha, o impacto faz-se sentir nos bolsos dos cidadãos ao pagar os alimentos devido à inflação e ao custo dos cereais, fertilizantes ou energia.

Mas em outras latitudes, a comida é escassa devido à guerra entre dois grandes produtores - Rússia e Ucrânia - e devido a desastres naturais, como a ONU, o Fundo Monetário Internacional e outras organizações alertaram esta semana.

Em Bruxelas, os ministros da Agricultura da União Europeia (UE) vão discutir na segunda-feira a Ucrânia e o funcionamento das rotas marítimas por onde exporta cereais.

equilíbrio agrário

O diretor das Cooperativas Agroalimentares, Gabriel Trenzado, afirma que as previsões de sete meses atrás em relação à inflação foram cumpridas, mas "não houve o impacto catastrófico que se temia" na oferta.

No entanto, salientou que este perigo continua a existir, devido a outros fatores como a seca, que vai reduzir as colheitas e pressionar os mercados.

As organizações agrárias, os comerciantes e as cooperativas concordam que o aumento dos custos agrícolas já vinha de antes do conflito.

Mas a guerra "quebrou as costas do camelo", segundo o secretário-geral da associação empresarial Accoe, José Manuel Álvarez, que acredita que se não tivesse havido invasão russa, a "tensão" nos preços dos grãos não teria durado tanto muitos meses.

O diretor técnico do COAG, José Luis Miguel, indicou que no final de 2021 o campo espanhol registou um aumento homólogo dos custos de 30% enquanto agora esse indicador sobe para 40%, o que prova que a crise "veio por trás ».

Lacuna da Ucrânia e da Rússia

A Ucrânia é o primeiro fornecedor de milho para a Espanha e o quarto exportador mundial, enquanto a Rússia é o segundo exportador global de trigo (contando a UE como o primeiro bloco) e a Ucrânia o quinto.

A Espanha é deficiente em cereais, soja para rações e girassol, cultivo que a Ucrânia lidera em todo o mundo.

Diante da lacuna deixada pela Ucrânia, a Espanha voltou-se para outras origens, como o Brasil ou os EUA.

Relatórios internacionais indicam que há uma "produção mundial mais do que suficiente" de cereais, mas o problema da escassez está nos países que não podem pagar grãos mais caros, opinou Álvarez.

Entre os clientes do cereal da Rússia e da Ucrânia, destacam-se nações da África e do Oriente Médio.

Menos plantios e fechamentos de fazendas

O prolongamento da guerra gera dúvidas sobre o futuro da produção espanhola.

O diretor de Relações Internacionais da organização agrária Asaja, Ignacio López, garante que as consequências "se agravaram" e que o conflito deu "a renda" ao produtor, que também não viu sua remuneração subir apesar de os cidadãos comprarem a comida mais cara.

López menciona o abandono das fazendas e a necessidade de muitos pecuaristas abaterem seus animais.

Essa circunstância pode diminuir as safras de 2023, o que López acrescenta às dúvidas de muitos agricultores sobre semear ou não devido ao clima ou à incerteza sobre os regulamentos do futuro Política Agrícola Comum (PAC).

O representante do COAG também citou a redução dos fertilizantes no campo, em função de seus preços, enquanto em produções mais intensivas, como hortaliças, “o risco financeiro” aumenta.

Como o campo é adaptado? 

López destacou que os agricultores se adaptaram da melhor maneira possível, ajustando suas despesas a esses sete meses em que suas contas "triplicaram" e redirecionando suas lavouras para aquelas que exigem menos água.

As empresas agrícolas procuram outros fornecedores para se abastecerem de matéria-prima mas, salienta o director das Cooperativas, não é fácil mudar de um ano para o outro de um fornecedor tradicional, nem é fácil adaptar as explorações à utilização de energias renováveis .

"Essa experiência fará com que os planos estratégicos das empresas mudem no futuro", segundo Trenzado, aludindo ao fato de que não poderão contar com a mesma previsão de fornecimento de grãos ou energia.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

SNA alerta para prejuízo de US$ 500 milhões por semana devido a greve de caminhoneiros...

Cerejas: Chile se renova para manter a liderança

La Libertad lidera as exportações de abacates, mirtilos e aspargos entre...