Falta de mão-de-obra estrangeira sufoca a agricultura na Alemanha

Berlim é ativada para permitir a entrada de trabalhadores agrícolas

Diante da necessidade, a ideologia empalidece e a realidade obstinada prevalece. A pandemia destacou o papel crucial dos trabalhadores sazonais estrangeiros para as colheitas na Alemanha, que estão ameaçadas pela falta de mão-de-obra estrangeira. O campo alemão precisa de quem trabalha, mas trabalhadores sazonais de países como Polônia, Romênia e Bulgária, que todos os anos removem os espargos com cuidado, agora enfrentam as restrições de entrada impostas por Berlim como resultado da pandemia. O clamor dos agricultores e o medo de interromper o fornecimento foram de tal ordem que os Ministérios do Interior e da Agricultura chegaram a um acordo na quinta-feira para permitir que os trabalhadores entrem, embora limitados e sob condições estritas.

Em 25 de março, o Ministério do Interior ordenou o fechamento de fronteiras também para trabalhadores temporários e se aplica a países como o Reino Unido, mas também à Bulgária, Romênia e Áustria. A partir de agora, e de acordo com o acordo alcançado na quinta-feira, até 80.000 trabalhadores temporários poderão entrar em abril e maio. “Esta é uma notícia importante para nossos agricultores. A colheita não espera e nem a semeadura ”, indicou a ministra da Agricultura, Julia Klöckner, ao anunciar a nova decisão.

Os trabalhadores sazonais só poderão voar para determinados aeroportos para evitar longas viagens de ônibus, onde o risco de infecção aumenta. Os trabalhadores serão localizados para poder reconstruir a cadeia de contatos que mantêm em caso de detectar um contágio. Os empregadores irão buscar trabalhadores sazonais no aeroporto, que não poderão chegar à área de cultivo por conta própria. Eles devem passar por um exame médico na chegada e vão trabalhar e ficar por duas semanas separados dos funcionários locais também para evitar possíveis infecções. Os grupos de trabalho serão os menores possíveis. Eles manterão uma distância segura e, quando não puderem, usarão luvas e máscara.

O Governo indica que as medidas foram tomadas seguindo as recomendações do Instituto Robert Koch (RKI), referência na luta contra a pandemia. Os números do RKI indicam que na Alemanha existem 73.522 positivos para coronavírus e que 872 pessoas morreram.

Berlim tem outros 20.000 trabalhadores agrícolas das listas de desemprego ou de estudantes, além dos 20.000, a maioria dos outros Estados-Membros, que entraram antes da entrada em vigor da proibição. O governo estima que, até o final de maio, serão necessários cerca de 100.000 trabalhadores no campo. "O número de trabalhadores será reduzido ao mínimo", afirmou o ministério do Interior em comunicado nesta quinta-feira.

O Ministério da Agricultura também lançou recentemente uma campanha para recrutar pessoas na Alemanha que desejam ajudar no campo. Sob o título "Ajude o país", um site oficial oferece as vagas e a lista que aparece é quase infinita. Até agora, 42.000 já se inscreveram, mas são necessários 300.000, de acordo com estimativas da associação de agricultores alemães. Os jovens alemães bem-intencionados, alertam os agricultores, dificilmente serão capazes de substituir tempestades experientes da Europa Oriental. O mesmo aconteceria com os refugiados, entre os quais 156.000 mil, segundo o Ministério do Interior, estão desempregados e poderiam apoiar tarefas agrícolas, segundo a agência de notícias DPA.

A Associação Alemã de Agricultores alertou que algumas frutas e vegetais podem estar em falta nas próximas semanas, na ausência de mão de obra estrangeira. "O suprimento de alimentos não está em perigo, mas existem lacunas na produção de algumas culturas", alertou seu presidente Joachim Rukwied. Como conseqüência, os preços de alguns produtos, como aspargos e frutas vermelhas, vão subir, alertou.

Pedido da Comissão Europeia

A necessidade é tão urgente que mesmo a Alternativa de extrema direita para a Alemanha (Afd), com um forte discurso xenofóbico e anti-imigração, pediu medidas para permitir a entrada de trabalhadores estrangeiros. Obviamente, trabalhadores, não requerentes de asilo. "O governo federal não está fazendo o suficiente para ajudar nossos agricultores, que precisam garantir o suprimento da população", twittou o deputado do Afd Thomas Ehrhorn, que pediu exames de saúde para os trabalhadores sazonais que querem vir em vez de serem solicitados. impedir a entrada. "O governo não emitiu licenças para as colheitadeiras européias e agora depende de encontrar trabalhadores locais", disse Stephan Protschka, chefe de agricultura da Afd. "O mais importante agora é agir rapidamente para garantir a entrada de trabalhadores europeus", acrescentou.

Durante dias, o Ministério do Interior manteve conservações com o Ministério da Agricultura para tentar encontrar uma solução que "combine a proteção necessária contra infecções com a garantia de colheitas", explicou Klöckner à imprensa nesta semana. O Presidente da Comissão Europeia pediu nesta semana aos Estados-Membros que permitam trabalhadores comunitários, especialmente trabalhadores da saúde, mas também os responsáveis ​​por trazer comida para a mesa. "Precisamos das pessoas que plantam e colhem nossas colheitas. Temos que garantir que tenhamos trabalhadores temporários suficientes na agricultura ”, disse Von der Leyen.

fonte
El País

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A crise agroalimentar piora após sete meses de guerra no...

Family Farms vai importar 405.000 plantas de mirtilo do Chile por terra

Figuras de mirtilo no mercado dos Estados Unidos