Rebeca Gálvez, da Patagonia Biotecnologia: "O poder das algas melhora o rendimento, a qualidade, o tamanho e a condição de uma ampla gama de árvores frutíferas"

“A indústria de fertilizantes está em um ponto de virada”

A crise no preço e na disponibilidade de fertilizantes agrícolas está tendo um grande impacto na agricultura mundial, e até tem gerado temores de insegurança alimentar. A guerra na Ucrânia iniciada pela Rússia – o maior exportador mundial de fertilizantes nitrogenados, o segundo maior em potássio e o terceiro maior em fertilizantes fosfatados, segundo dados da FAO – está sendo decisivo neste momento, embora não se deva esquecer que a escalada dos preços começou há mais de um ano com o aumento dos preços do gás, o que fez com que, por exemplo, o preço da ureia se multiplicou por dois e meio nos últimos 12 meses.

Esta importante fissura na obtenção de um recurso essencial para a agricultura aumenta não só a conveniência de depender de um mercado concentrado, mas também a de encontrar matérias-primas eficazes, locais e, sobretudo, disponíveis, algo que é especialmente relevante neste momento em regiões como como a América Latina diante das próximas campanhas agrícolas; e as algas cumprem todos os requisitos para se tornarem alternativas interessantes aos fertilizantes minerais.

“Nosso objetivo na Patagonia Biotecnologia é colocar a serviço da agricultura sustentável global o poder das algas marinhas do oceano patagônico, que potencializamos graças à biotecnologia. Nossa solução Fertum foi desenvolvida por Marcelo Brintrup Meeder, que trabalha com algas há mais de 30 anos, dando continuidade ao trabalho de pesquisa realizado por um verdadeiro visionário, Dr. Gotardo Schenckel Stiefel da Universidade de Concepción, Chile”, explica. Rebeca Galvez.

“Não existe recurso que seja infinito, mas o potencial das algas praticamente é, sempre dependendo de como elas são manejadas. Além disso, é uma matéria-prima que ajuda em todos os problemas que nos afligem hoje em relação às mudanças climáticas, pois têm um poder tremendo de fixação de carbono”, enfatiza Rebeca. “Na Patagonia Biotecnologia temos concessões marítimas próprias onde trabalhamos com cultivos próprios e através de alianças com pescadores profissionais que treinamos para que as algas sejam colhidas de forma sustentável e o ecossistema não seja prejudicado. Trabalhamos especificamente com algas castanhas macrocystis".

“Essas algas são mais abundantes que outras utilizadas pela competição e podem aumentar seu peso em 3.500 vezes em menos de 90 dias. Nossos produtos se destacam por serem feitos com algas frescas, não lavadas nas praias, com processo patenteado no Chile, Estados Unidos e Canadá, e temos uma paleta de 15 produtos certificados para agricultura orgânica. É importante destacar que somos uma empresa Endeavor pronta para escalar: hoje vendemos um milhão de litros de produto, mas temos infraestrutura para crescer para 20 milhões de litros por ano."

Nutrientes marinhos da Patagônia: maior produção e menos perdas

As algas que formam a base das soluções fertilizantes da Patagonia Biotechnology são coletadas na região costeira de Valdivia até a ilha de Chiloé, onde crescem alimentadas pela nutritiva corrente de Humboldt.

“O processo patenteado permite que os macro e micronutrientes das algas sejam liberados, assim como os precursores dos fitohormônios, para disponibilizá-los às plantas; Nesse aspecto, oferecemos aos agricultores uma dupla tecnologia, pois nossos produtos possuem precursores de auxina e citocinina. Esses componentes fortalecem as culturas e permitem que elas suportem melhor o estresse hídrico e térmico, e promovam o crescimento das raízes, para que as plantas tenham maior capacidade de captar os nutrientes presentes no solo.”

“Nossos produtos também contêm silício, elemento com o qual Marcelo Brintrup trabalha há mais de 15 anos e é considerado um fertilizante de quarta geração. Diferentes testes realizados mostraram que o uso de nossas soluções alcançou aumentos de 15% nas culturas de batata, até 100% em mirtilos com nosso programa de fortalecimento e vigor, e até na Califórnia, onde a praga Fusarium está causando perdas de 60% na safra de aipo, Fertum enriquecido com silício conseguiu reduzir as perdas em 15% sem ser fungicida; apenas com o fortalecimento que traz para a safra”, compartilha Rebeca Gálvez. "Inicialmente, nossos produtos eram oferecidos como complemento aos programas de fertilização basal, mas os diferentes testes realizados com empresas internacionais de prestígio mostraram que eles são tão eficazes quando usados ​​individualmente e até conseguiram aumentar os rendimentos."

"Além disso, a semana passada foi muito importante para nós, conseguimos fechar uma aliança com a Dra. Lorena Barra, desenvolvedora de um consórcio microbiano patenteado com o qual vamos impulsionar nosso P&D."

Ao serviço da fruticultura

“Conseguimos nos posicionar no Chile de norte a sul com clientes líderes em uvas de mesa, nogueiras, árvores cítricas, abacateiros, mirtilos, cerejeiras e aveleiras. De fato, somos os líderes em extratos de algas no país; também no Peru, onde estamos posicionados em mirtilos e uvas de mesa e estamos começando a realizar testes em bananas e cana-de-açúcar, e nos Estados Unidos. Lá estamos nos consolidando na Califórnia, onde estamos substituindo fortemente outros extratos de algas conhecidos. No ano passado também conseguimos penetrar no mercado equatoriano, onde a banana é um dos metas, e acabamos de fechar nosso primeiro contrato com a China”.

“Além disso, nos últimos meses, desde o início da guerra, recebemos o interesse de grandes empresas em busca de alianças estratégicas conosco de países como Itália e Espanha”, compartilha Rebeca Gálvez. "A indústria de fertilizantes está em um ponto de virada, oferecendo ao meio ambiente e ao planeta uma nova oportunidade, e é hora de avançar."

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Pesquisadores do CAES examinam problemas de qualidade do mirtilo para p...
"O setor de mirtilo busca novas janelas de produção mais...
Depois de uma viagem à China, o Presidente da ASOEX mostrou-se optimista em relação ao tempo...