As 4 tendências mais inovadoras em alimentos

As tecnologias ômicas, cognitivas, multimodais de inspeção e recuperação e reciclagem serão as protagonistas deste ano no setor agroalimentar, segundo a AINIA.

As áreas de alimentação e saúde, smart business ou indústria 4.0, segurança alimentar e sustentabilidade serão pilares fundamentais sobre os quais se articularão essas inovações tecnológicas no setor.

Alimentação e saúde: tecnologias ômicas

Este ano as tecnologias ômicas estarão muito presentes na área de alimentação e saúde, pelo benefício e diferenciação que podem trazer para a indústria. As tecnologias Omics são técnicas de alto rendimento que permitem que um grande número de componentes sejam estudados nos resultados analíticos de uma amostra. Eles abrangem campos de pesquisa como genômica, transcriptômica, proteômica ou metabolômica.

As pesquisas nesta área contribuirão para o desenvolvimento de dietas personalizadas que favoreçam a saúde física e mental de cada pessoa, de acordo com o Chefe do Departamento de Biotecnologia de AINIA, Begoña Ruiz. Especificamente, a proteômica tem como foco o estudo em larga escala das proteínas (sua estrutura, função e diversidade), chave em uma sociedade onde o consumidor está cada vez mais consciente da importância da saúde e exige alimentos funcionais. Nesse ponto, vale destacar a busca por novas fontes sustentáveis ​​de proteína que atendam a diferentes perfis de consumidores, como veganos ou vegetarianos, e que reduzam a pressão que existe atualmente sobre certas fontes de origem animal.

Existem inúmeras aplicações no setor alimentar, por exemplo: para o design de novos produtos com adição de ingredientes funcionais; ou para o estudo da riqueza proteica de produtos ricos em proteínas que surgem no mercado, como os que incorporam insetos, microalgas ou lemna, entre outros.

Smart Business: tecnologias cognitivas

A União Europeia considera a digitalização como um dos pilares fundamentais para fazer face à situação provocada pela COVID-19. Os acontecimentos ocorridos nos primeiros meses da crise da saúde evidenciaram a necessidade de flexibilizar a produção para responder aos picos de procura e também preparar-se para oferecer serviços ou soluções personalizadas.

Por outro lado, “diante de um consumidor cada vez mais preocupado com a segurança do produto, acelera-se a busca por sistemas que garantam padrões de segurança e qualidade em todos os elos da cadeia”, segundo o Chefe do Departamento de Tecnologias da Informação e Comunicação da AINIA, David Martínez.

Soma-se a isso a necessidade de transparência que proporcione ao consumidor informações precisas sobre o produto e sua procedência. Porém, atualmente, o tecido empresarial do setor alimentício tem diante de si uma grande oportunidade de valorizar a enorme quantidade de dados de diferentes naturezas que geram (registros em seus sistemas de gestão como ERPs ou sistemas de produção, dados de máquinas, sensores , dados científicos ou de mercado que podem ser obtidos na Internet, registros de fornecedores, laboratórios, etc.). “As tecnologias cognitivas, ou seja, tecnologias que trabalham com dados como inteligência artificial ou aprendizado de máquina estão se abrindo para dar um suporte abrangente e integrado aos problemas da indústria de alimentos nessa área”, destaca. David Martinez. 

Segurança alimentar: tecnologias de inspeção multimodal

Outro dos pilares fundamentais será a segurança alimentar. Diante da crescente demanda por novos métodos rápidos e confiáveis ​​que permitam a detecção precoce, ou mesmo a previsão do surgimento de perigos que comprometam a qualidade e segurança de um alimento, a inspeção multimodal combinada é uma solução tecnológica fundamental, uma vez que é capaz de prever e prevenir perigos de diferentes naturezas graças à combinação de várias tecnologias.

“As informações captadas por cada uma das tecnologias são exploradas de forma sinérgica, permitindo obter um quadro mais completo da inspeção de alimentos, o que tornará mais fácil para as empresas de alimentos antecipar riscos, obter economia de custos associados ao desperdício e proteger ao consumidor”, diz a Chefe do Departamento de Automação Inteligente, Ricardo Díaz.

Sustentabilidade: tecnologias de recuperação

Os processos de recuperação e reciclagem de subprodutos se posicionam como pilar fundamental no setor agroalimentar. Processos de valorização que respeitem o meio ambiente e que não gerem resíduos poluentes são fundamentais.

“Uma tecnologia emergente é a de obtenção e funcionalização de microfibras de celulose, que posteriormente tem aplicações como material de embalagem com propriedades especiais, ou mesmo como ingrediente cosmético, atuando como modificador reológico, agente hidratante e emulsificante. São dois exemplos claros de aplicações tecnológicas para a recuperação sustentável de subprodutos ”, destaca. Begona Ruiz de AINIA.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

No Chile, neste 11 de abril, duas indústrias de sucesso se encontraram
O Instituto de Extensão de Ciências Agrárias e Alimentares da Universidade...
Cerejas, uma temporada de sucesso que será analisada no encontro deste 1...