José Luís Bustamante:

“Os mirtilos no México estão passando por um momento de transição”

“A indústria de frutas vermelhas no México continua a crescer, talvez menos explosiva, mas definitivamente mais ordenada e focada em novas genéticas que garantam melhores preços de retorno aos produtores.”

O ex-presidente da Associação Nacional dos Exportadores de Bagas do México (Aneberries), José Luis Bustamante, é um renomado empresário agrofrutícola que, em sua função de líder da organização mexicana que reúne exportadores de frutas vermelhas, teve que enfrentar o conflito com os produtores americanos no passado “Caso de salvaguarda”, superando com sucesso e emergindo mais forte do desafio económico e comercial que teve de enfrentar com os órgãos de supervisão dos EUA.

Já aposentado da liderança da Aneberries, atua como executivo responsável pela Naturberry SA de CV, (empresa subsidiária da Naturipe Berry Growers) dedicada à comercialização de morangos frescos, tanto para exportação para os Estados Unidos e Canadá quanto para atendimento ao mercado mexicano. A empresa conta com 132 agricultores associados, desde produtores com 1 hectare até alguns com mais de 45 hectares, o que corresponde a 10% do mercado de exportação do México Central.

Na actual época estão um pouco atrasados ​​por motivos climáticos, no entanto, mantêm uma boa saúde nas fábricas, o que lhes permite estar optimistas quanto à produção e qualidade dos produtos, o que lhes permitirá abastecer os seus clientes em tempo útil. e forma. No domínio da inovação, participam na produção de estufas de alta tecnologia, com uma área atual de 6 hectares, “que são muito produtivas e 100% sustentáveis”.

O mercado

José Luis Bustamante comenta que atualmente os mercados, especialmente o mercado norte-americano, exigem frutos silvestres 52 semanas por ano, com o melhor sabor, consistência, segurança e, recentemente, sustentabilidade. Portanto, a participação do México no mercado mundial é essencial para atingir esse objetivo. “No nosso caso, o México exporta morangos para os Estados Unidos do final de outubro a março, meses em que a oferta da fruta diminui consideravelmente”, explica.

Sua visão da indústria mexicana de frutas vermelhas

“A indústria de frutas silvestres no México continua a crescer, talvez menos explosiva, mas definitivamente mais ordenada e focada em novas genéticas que garantam melhores preços de retorno aos produtores. Na minha opinião ainda existem grandes oportunidades de crescimento em Framboesa e Amora para variedades produtivas que satisfaçam o consumidor”, afirma.

“Os morangos no México estão experimentando um grande crescimento em áreas de maior altitude no México Central, principalmente em Michoacán (Lagunillas, Morelia etc.) e Jalisco (Arandas, Tepatitlán etc.) o que nos permite ter frutos de boa qualidade nos “ombros” de a temporada, ou seja, março-abril e outubro, o que amplia a janela de exportação”, acrescenta.

Mirtilos

Ele comenta que os mirtilos no México passam por um momento de transição em dois sentidos, o primeiro genético, com a substituição da variedade Biloxy por novas variedades de melhor tamanho, sabor e consistência. Em segundo lugar, o cultivo está se espalhando para outras áreas de produção, como Sinaloa ou Baixa Califórnia, diz ele.

Futuro das Aneberries

“O futuro da Aneberries é brilhante, o nosso novo presidente, Eng. Miguel Ángel Curiel, é um grande líder e formador de equipas, e estamos numa fase de crescimento, incorporando não só novos membros, mas outros intervenientes na indústria dos frutos silvestres, como Genética, Viveiros, Processadores etc. aqueles que vão enriquecer a nossa associação”, finaliza.

fonte
Consultoria Blueberries

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Exportação de cerejas chilenas quase triplica em janeiro de 2024: China...
A temporada de mirtilo marroquino avança em duas velocidades
Onubafruit, o primeiro produtor de bagas em Espanha embora reduza 11%...