Os mirtilos na Ucrânia não sofrerão possíveis geadas – opinião de especialistas

À luz do recente relatório sobre a floração anormalmente precoce de mirtilos na Polónia, onde certas variedades desta cultura de frutos silvestres floresceram quatro semanas mais cedo do que o habitual. A sua investigação centrou-se na avaliação da gravidade de um fenómeno semelhante e do seu possível impacto na colheita de mirtilo, particularmente no contexto das geadas primaveris.

Embora a situação na Ucrânia relativamente à floração precoce dos mirtilos não seja tão crítica como na Polónia, ainda merece atenção. Resumindo as respostas dos participantes no mercado, o progresso no que diz respeito às datas médias de floração de vários anos varia entre 10 e 18 dias. Contudo, nas regiões orientais da Ucrânia, o progresso aproxima-se das quatro semanas, reflectindo a situação na Polónia. Em particular, existem variações dependendo da região de cultivo, sendo observado um progresso ligeiramente menor nas áreas mais orientais. No entanto, mesmo no norte da Ucrânia, a floração poderá começar em breve, causando verdadeiras preocupações entre os produtores.

Os agricultores na Ucrânia reconhecem unanimemente a ameaça representada pelas geadas primaveris. Alguns já estão a tomar medidas de precaução para salvaguardar as suas colheitas de mirtilo. Estas medidas incluem técnicas de aquecimento entre filas, tratamento com agentes especializados que melhoram a resistência a baixas temperaturas e utilização de canhões de água.

Os especialistas destacam o mecanismo de defesa natural único proporcionado pela estrutura da flor do mirtilo. Durante a floração, a baga pode suportar pequenas quedas na temperatura do ar abaixo de zero. Sergii Zmiichuk de Fruitech, comentando a publicação de Andriy Yarmak en Facebook, relembraram uma experiência passada em que encontraram -4°C durante a floração sem danos significativos. “A estrutura floral em forma de sino, por design, permite que a água nas pétalas congele e libere calor, que é então retido sob a cúpula, protegendo contra o congelamento”, disse Sergii.

Curiosamente, as principais perdas de mirtilos na Ucrânia ocorrem durante o período de inverno, principalmente não devido a temperaturas extremamente baixas, mas devido a flutuações quando a vegetação é retomada no inverno, conforme observado Viktor Farafonov. “Quanto às geadas primaveris, esta cultura apresenta um mecanismo de ‘autodefesa’ devido às características morfológicas da estrutura floral, como referido acima, bem como ao longo período de floração. Se somarmos práticas tecnológicas como a irrigação e o uso de geradores de neblina, as perdas nas colheitas serão mínimas.

Talvez haja uma queda nos preços no período inicial de maturação das variedades precoces, onde competimos com os países do sul da Europa.

Mas definitivamente não haverá nenhum desastre”, afirmou o experiente profissional do setor.

Os mirtilos são cada vez mais vitais para a horticultura ucraniana. No ano passado, ultrapassaram as maçãs em termos de receitas de exportação. Em 2024, se não houver desastres naturais ou grandes perdas de colheitas, podemos esperar outra exportação recorde de mirtilos ucranianos.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Produtores de mirtilo do Zimbábue buscam acesso ao mercado chinês
A indústria de frutas vermelhas no México continua a crescer apesar dos desafios
Revolucionando a irrigação hidropônica de frutas silvestres – a solução 3 em 1