Os itens e projetos que transformam Biobío e La Araucanía

O forte crescimento da área com árvores frutíferas nos últimos dez anos, que se aproxima dos 15 mil hectares nas duas regiões, e a chegada de novas espécies, como a cereja e a aveleira, ampliam o mapa produtivo. 

As obras para construir a nova fábrica industrial de aveia da Agropel em Lautaro, ao norte de Temuco, estão se movendo rapidamente. Ela começará a processar algumas toneladas mensais de cereal 2.500 em agosto, quase três vezes mais do que as instalações que a família Fernández tinha naquele ano, de onde exporta aveia descascada, flocos e farinha para mais de dez países.

Através da janela de seu escritório, a poucos metros da construção, Gastón Fernández Rojas, sócio e gerente da empresa que ele lidera junto com suas quatro irmãs em La Araucanía, olha com um sorriso para o progresso. Ele diz que em apenas mais três anos eles poderão operá-lo a plena capacidade, já que com sua própria produção - que nesta temporada equivale a 1.500 hectares - eles suprirão apenas o 25% e o restante comprará de outros agricultores. Ele também diz que a integração vertical nesse grão, da semeadura à exportação, começou com uma crise.

«O ano 2000 a farinha de aveia não valia nada, como está acontecendo este ano, e nós tivemos que pensar o que fazer com ela. Juntamente com outros agricultores, decidimos exportá-lo para o Peru sem processamento, e foi um negócio melhor. Nesse mesmo ano nós compramos uma pequena planta, usada, e desde então não paramos de exportar«lembra, acrescentando que entre os seus planos está adicionar mais uma fábrica para embalar aveia em pequenos formatos e exportá-la com as marcas dos seus clientes.

O empresário também planeja aumentar seus hectares 84 de blueberries, que começou a plantar em 2004, e chegar hectares 100 nos próximos anos, para fortalecer a capacidade da exportação Bagas San Luis, que formou em paralelo ao negócio de aveia e o que começou a enviar diretamente sua fruta quatro temporadas atrás.

«Nestes negócios, com cada intermediário você está perdendo. E, como tivemos a exportação de aveia, acrescentamos que os mirtilos ajudaram a baixar os custos, porque eu poderia integrar os dois negócios«diz ele, enquanto verifica o andamento da colheita no pomar da fazenda El Pedregal, que no ano passado venceu o concurso Anasac Campo do Ano em La Araucanía.

Com quatro mil hectares de cultivos anuais, batata e mirtilos, o modelo de integração de Gastón Fernández é um dos exemplos de como os novos itens passo a passo estão mudando a face da área e refletindo parte de suas mudanças na última década, onde a superfície com aveia cresceu 77 2006 e 2016% entre e pomares quase triplicou (veja infográfico), apesar dos conflitos que marcaram actividades agrícolas e florestais de La Araucanía nesse período.

Eles projeta em europeus árvores aveleiras, cereja e nozes na região e da região sul do Biobio acrescentar, além de incorporar novas iniciativas cereais e até mesmo vinhas, que estão diversificando o mapa produtivo de uma área onde reinava o trigo e as florestas.

Atreva-se com as cerejas

Patricia Aguilera nunca imaginou que ela cresceria cerejas. Ela é professora e, até a 2013, quando seu pai morreu, ela havia ensinado 32 por anos na escola San Francisco de Asís, em Angol, na região de Biobío. Naquele ano ele se encarregou de um campo de gado que herdou quase na fronteira com La Araucanía e, vendo que era difícil alcançar figuras azuis com esta atividade e semear culturas anuais, ele decidiu plantar árvores frutíferas.

«Eu não gostei do campo. Eu me senti muito segura fazendo aulas, me senti muito velho para mudar de assunto e não tinha idéia sobre cerejeiras, mas sabia que não queria vender o campo, que fruticultura está indo para o sul e que era muito mais lucrativo, então decidi plantar em 2014«comenta, enquanto percorre o seu pomar de 30 hectares plantado com a casta Regina, que colheu pela primeira vez esta temporada.

Seu jardim é parte dos hectares 316 de cerejeiras que existem atualmente no Biobio sem considerar a superfície da nova região de Ñuble- e junto com La Araucania adicionar um pouco mais de mil hectares, quase três vezes o que existiam na 2006 em ambas as zonas.

Apesar de Patricia Aguilera admitir que a mudança da sala de aula para o campo não foi fácil, ela afirma que hoje está apaixonada por sua nova atividade e que quer alcançar os hectares 50 nos próximos anos. Para saber diz ter sido o conselho chave bem, tanto com seu irmão Ricardo -producer e exportador de cerejas, e ex-gerente de viveiro Copequen- como a Transferência de Tecnologia (GTT), que foi formado no ano passado em Angol, participando juntamente com os agricultores 15, quase todos os novos no campo.

«Quero continuar a melhorar. Com o grupo de produtores temos que ter o nosso exportador, temos que ir ver outros pomares na Alemanha e como eles recebem os nossos contentores na China, porque com essas experiências você aprende.Ele diz.

Diversificação com aveleiras

Faltam poucos dias para a colheita do trigo no sopé do sul do Biobío, perto de Mulchén, e os espigões dourados brilham entre eucaliptos e colinas de pinheiros. Entre eles, em uma área de terra seca e quase despovoada, os hectares 150 de árvores de avelã, que começou a plantar Cristián García com seu pai no ano passado parece uma miragem, embora a região é quase hectares 400 de frutos secos; mais de 4 mil na vizinha Araucanía.

A água era a chave para plantar essas árvores. Embora seja uma área chuvosa com grandes rios, boa parte dos campos só tem possibilidades de irrigação com águas subterrâneas, uma vez que não existem reservatórios ou sistemas de canais de irrigação que os beneficiem.

«O rio Bureo passa perto deste campo, mas é cerca de 100 metros abaixo, então para nós não é possível obter água, por causa do custo que teria. Tivemos a sorte de fazer poços e encontrar água, o que nos dá cerca de 70 litros por segundo e nos permite ter essa área de árvores frutíferas«explica Cristián García, ao detalhar que plantou as variedades yamhill e giffoni e que gostaria de cultivar mais na superfície.

Além do projeto da família, há outro hectare 27 de aveleira europeia em um campo próximo, com o qual crescerá até atingir os hectares 50 este ano, em terras que até agora são florestais. A decisão se deve ao fato de que, segundo Cristián García, as florestas hoje são mais lucrativas que as culturas tradicionais, mas a castanha é muito mais atraente.

«Em um momento, os eucaliptos eram a melhor alternativa que tínhamos nessa área, mas não mais. Uma vez que eles são colhidos, o custo de plantar aveleiras não é tão grande e vai dar retorno. Vários amigos já fizeram e não é louco«Ele afirma.

Ele também acredita que a avelã é uma boa opção para os agricultores tradicionais entrarem na fruta, porque ela não é tão intensiva quanto as outras espécies, é mecanizada e no futuro pode usar a infraestrutura de armazenamento de grãos para as avelãs.

«Isso também abre o apetite e nos faz querer plantar outras espécies que tenham ainda mais rentabilidade, como nozes ou cerejeiras, e acho que vamos fazer alguns testes«projetos Cristián García.

Maçãs com carimbo mapuche 

Em meados de 2015, as famílias 48 da comunidade Mapuche Antonio Rapiman recebido do Conadi a fazenda Mountain, cerca de hectares 490 na comuna de Perquenco, plantadas com 79 hectares de macieiras e 140 hortelã-pimenta, onde hoje também cultivam trigo e lupino

Para continuar trabalhando no campo, as famílias 40 da comunidade formaram uma cooperativa com o mesmo nome e foram duas temporadas em que continuaram a exportar maçãs, como fornecedores da empresa San Clemente, e extrato de hortelã para os Estados Unidos, graças à empréstimos administrados pela líder da cooperativa, María Rapimán.

«Como comunidade, em nenhum lugar eles nos dão crédito, porque temos que provar a herança e essas terras não podem ser hipotecadas. Mas eu encontrei um vazio legal nos direitos da água, com o qual eu poderia reforçar os direitos de cinco litros por pessoa, de todos os membros da cooperativa, e com isso nós conseguimos«diz María Rapimán, e detalha que com esses recursos conseguiram comprar insumos e pagar mão de obra para continuar no negócio da maçã.

Junto com isso, eles começaram a vender a fruta que não se qualifica para exportação para o Junaeb e têm planos de produzir seu próprio suco - em uma primeira tentativa falharam no ano passado, porque exigiu um investimento de US $ 180 milhões - além de iniciar um projeto de cinco hectares de cerejeiras, algo que ainda não estudou em detalhe.

«O que o Conadi deve fazer é que, se comprar terra, é entregue acompanhado de um desenvolvimento produtivo, porque se não fosse pela nossa perseverança, não poderíamos tê-lo seguido. Esta é uma mina de ouro, há tudo o que você quer produzir, mas sem recursos você não pode ir«diz María Rapimán, embora tenha sido questionada a entrega atempada daquele campo, uma vez que a comunidade não pertence a Perquenco, mas sim à comuna de Padre Las Casas.

Fonte: Revista del Campo

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Produzir mirtilos num pote ou num saco?
As vantagens de ter acesso a dados que permitem à sua organização...
Alcançar o potencial máximo das novas variedades de mirtilos: Mace...