Manuel José Alcaíno no Mês Internacional do Blueberry: "Os negócios do Chile mudaram e mudaram de forma definitiva ..."

O presidente da Decofrut abordou múltiplos temas em sua completa e sólida apresentação, que se estendeu por uma destacada participação na habitual rodada de perguntas.

Manuel José Alcaíno, presidente da Decofrut, e experiente consultor internacional, destacou com sua apresentação: “Situação da produção de mirtilo no Chile: Análise de mercados e países concorrentes”, entregue esta terça-feira no âmbito das atividades programadas para o Mês Internacional del Cranberry, organizado pela Blueberries Consulting and Agricultural Seminars.

O especialista fez uma análise completa da indústria chilena, expondo os principais elementos que explicam sua situação menos proeminente. Ele focou em todos os detalhes, desde as áreas plantadas região por região, as diferentes variedades e suas características positivas e negativas, os diversos manejos na colheita e pós-colheita, as novas alternativas de transporte, e os aspectos estratégicos que emanam do Comitê de Mirtilo para conduzir a indústria a um patamar superior, recuperando a competitividade de uma indústria consolidada e reconhecida pela sua estabilidade.

“É claro que o Peru assumiu uma posição dominante nas exportações do hemisfério sul e o Chile, que teve uma posição muito forte nos últimos 20 anos, perdeu essa posição”, afirma.

Uma mudança definitiva

“É impressionante a posição confortável que o Chile teve, colocando-se entre as janelas do fim da produção na Colúmbia Britânica, na América do Norte, Canadá, e o início da nova temporada na Flórida e arredores, que deixou uma janela maravilhosa que o Chile descobriu e usou por longos anos, agora está fechando. O espaço foi cedido no início ao Peru e na parte final ao México, no caso da América do Norte, e ao Marrocos e Espanha no caso da Europa, então o negócio no Chile mudou e mudou definitivamente, passando desde janelas de uso quase exclusivo até ter de competir durante toda a temporada em todos os mercados ”, garante.

Alcaíno na sua apresentação apoiou com cifras e dados valiosos o comportamento da indústria e dos mercados nos últimos anos, não só nos volumes de produção de fruta fresca ou congelada, ou convencional ou orgânica, mas também parou com dados abundantes na os aspectos comerciais da safra, nas vantagens de uma maior concentração da produção e também no caso de empresas exportadoras. Ele enfatizou a expectativa de retorno econômico para os produtores e as projeções desse aspecto no futuro.

Em uma indústria em que 64% dos seus 18.000 mil hectares plantados com mirtilo se concentram no centro do país, nas regiões de Maule, Ñuble e Bio-Bío, Alcaíno acredita que o crescimento da indústria chilena no futuro deve se estender para o sul, em busca de produção tardia, pois a colheita antecipada ficará muito saturada pela abundante produção peruana, entre outros motivos.

Os mercados

A Alcaíno analisou detalhadamente os principais mercados, apresentando e analisando diversas variáveis ​​relacionadas com os diferentes países, seus produtos e valores. Com foco nos Estados Unidos, Europa e China, mas também divulgando números para outros destinos menores. Ele também parou na realidade e nas projeções de algumas indústrias, além da chilena, principalmente as do Peru, México e África do Sul, entre outras.

Sua visão conclusiva é que a China, apesar de ser um mercado em expansão, representa grande potencial devido à sua cultura do visual, valorizando as qualidades organolépticas da fruta, além de serem consumidores que priorizam a doçura na fruta, o que em ambos os aspectos afirma que dá uma vantagem às frutas chilenas.

Há espaço para crescer

Seu apelo é que as mudanças sejam possíveis e necessárias porque, embora os preços tenham caído e as demandas dos consumidores aumentassem - o que fará com que muitos pequenos produtores abandonem a safra - a demanda está em constante crescimento nos mercados. que há muito espaço para continuar o crescimento da indústria de mirtilo.

Foram vários os problemas que o presidente da Decofrut abordou em sua apresentação completa e sólida. A sua destacada participação foi alargada na habitual ronda de perguntas, para deleite dos mais de 900 participantes online que de diversos países assistiram às diversas sessões semanais.

Encerramento de uma conferência internacional de sucesso

As atividades do Mês Internacional do Blueberry terminam esta quinta-feira com palestras técnicas profissionais nas quais participarão os investigadores Bruno Defilippi e Jorge Retamales, entre outros, que abordarão as questões da firmeza, estado e qualidade da fruta, logística na colheita e embalagem, e os diferentes aspectos relacionados à fase de pós-colheita.

fonte
Martín Carrillo O. - Consultoria Blueberries

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Produtores de mirtilo divididos em audiência recente da comissão ...

120 hectares de framboesas, amoras, mirtilos e kiwis em breve ...

Colhendo árvores frutíferas no sul do Chile: o desafio de trabalhar na ...