María del Carmen Salas sobre biofertirrigação no Peru: "Acho que a principal limitação é ter fontes orgânicas próximas"

A acadêmica participou do Seminário Internacional de Mirtilo em Trujillo, onde falou sobre a importância do controle da salinidade em cultivos sem solo.

O cultivo sem solo é uma opção cada vez mais popular, pois permite implementar uma cultura de mirtilo em terrenos que normalmente não são adequados para essas plantas. Ao utilizar recipientes, os produtores têm a vantagem de evitar doenças do solo, aumentar a densidade do plantio, aumentar a produtividade e a precocidade da colheita, além de permitir que a demanda nutricional das plantas seja adaptada de acordo com seu estado fenológico.

Após o aumento deste tipo de cultivo no Peru, Blueberries Consulting convidou María del Carmen Salas, médica e engenheira agrônoma da Universidade de Almería, a mesma instituição onde trabalha como professora de doutorado, para o último Seminário Internacional de Blueberry Trujillo 2022, dedicando-se à investigação de técnicas de hidroponia e cultivo sem solo. 

Com o preço dos fertilizantes em alta após os efeitos econômicos da pandemia e da invasão russa da Ucrânia, o uso de matéria orgânica para fertilizar parece ser uma opção mais barata, viável e popular entre os consumidores, que estão exigindo cada vez mais produtos mais sustentáveis.

Por isso, o médico apresentou durante a tarde do primeiro dia do evento, o tema “Biofertirrigação em mirtilos e controlo da salinidade em vasos” perante uma sala de conferências lotada. Por quase uma hora, ele manteve a atenção dos produtores presentes, relatando as consequências de um nível deficiente de salinidade nos vasos e a importância da proporção iônica para a nutrição da planta e, consequentemente, a qualidade de seus frutos.

Em entrevista à Blueberries Consulting, o acadêmico comentou sobre as dificuldades da salinidade mal regulada, as possibilidades de implantação da biofertirrigação no Peru e suas diferenças com a aplicação de fertilizantes convencionais.

Como uma faixa anormal de salinidade em seu substrato afeta o crescimento das plantas de mirtilo e seu potencial produtivo? Como isso afeta a vida pós-colheita da fruta?

O mirtilo, principalmente devido à sua sensibilidade à salinidade, quando saímos da faixa ideal, afetará o crescimento, o consumo de água, a absorção de minerais e no final tem uma consequência direta na qualidade do fruto, com o que no consequências pós-colheita são inevitáveis. E não só porque a salinidade é um problema para consumir água, pelo potencial osmótico, mas também porque gera um desequilíbrio de íons dentro da solução nutritiva e a planta pode ficar deficiente em certos elementos promovidos por esse desequilíbrio que lhe é fornecido por manejo da biofertirrigação.

Dados os altos custos dos fertilizantes após a invasão da Ucrânia pela Rússia e os efeitos econômicos da pandemia, os fertilizantes sintéticos ou minerais podem ser substituídos por biofertirrigação?

Obviamente, o custo de produção aumentou muito devido ao uso de fertilizantes, a maioria dos quais são produzidos fora da Europa. E no final, o custo é muito difícil de assumir para o produtor e depois para o consumidor final, então o primeiro benefício realmente será, se conseguirmos implementar bionutrientes, reduzir esse custo. Y desde luego sin olvidarnos de la importancia que va a tener para el medio ambiente, al reducir la aportación de fertilizantes de síntesis y recurrir a esos recursos naturales, sacarle todo el potencial que tienen de nutrientes, para que sea aprovechado por la planta y el meio Ambiente; Há dois benefícios claros. E em relação à qualidade do fruto, desde que a regulemos corretamente, será a mesma coisa, pois a planta terá os nutrientes de que necessita disponíveis nesse tipo de biossolução. Em outras palavras, não haverá limitação de produção ou qualidade.

Com as condições climáticas e geográficas do Peru, a biofertirrigação pode ser realizada nas áreas produtoras? Algum cuidado especial deve ser tomado?

Acredito principalmente que a limitação e consideração que deve ser tomada, no caso da biofertirrigação, é ter fontes orgânicas próximas. Ou seja, não podemos implantá-lo em um local tremendamente distante da geração dessa matéria orgânica, porque no final também se torna o mesmo problema do fertilizante mineral. Acho que a principal limitação é ter fontes orgânicas; compostado ou vermi compostado, a partir de restos vegetais ou estrume animal, para que nos permitam aplicá-lo de forma otimizada. E o fato de serem climatologicamente diferentes, o que nos leva é manejar bem os recursos, conhecer bem a análise daquele bionutriente, daquela biofertirrigação que vou aplicar, e manejá-la como temos manejado o fertilizante mineral até agora; através de análises de planta, drenagem e gotejamento para manter os níveis ideais para a planta. Portanto, o clima e a geografia não devem afetar como a aplicação de biofertirrigação ou fertilizantes sintéticos ou minerais deve ser estudada.

O acadêmico de destaque continuará trabalhando em conjunto com a Blueberries Consulting, participando como professor do curso de diploma "Produção convencional e cultivo sem solo em mirtilos: uso de substratos e fertirrigação", e no curso de nível de especialista internacional em "Irrigação e nutrição em mirtilos: produção convencional e cultivo sem solo”, organizado em conjunto com sua alma mater, a Universidade de Almería. Ambos os programas serão online, e você deve primeiro concluir o diploma, que é um requisito para avançar para o grau acadêmico superior de nível de especialista. As inscrições estarão abertas a partir de 1º de agosto pela plataforma Seminários Agrícolas.

Você pode ver a entrevista com a Dra. María Carmen del Salas e outros palestrantes do Seminário Internacional de Mirtilo de Trujillo em nosso canal do YouTube, MirtilosTV. 

fonte
Por Catalina Pérez Ruiz - Consultoria Mirtilos.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

As geadas devastadoras causam perdas significativas de mirtilos nos U...
Sonho azul: Ucrânia bate recorde histórico de exportação de mirtilo...
José Antonio Gómez-Bazán, CEO da Camposol: qual o segredo do sucesso...