Marrocos: mirtilos no Saara

“Precisamos avaliar a situação geral, principalmente em termos da sustentabilidade de nossas práticas de produção e preservação de recursos”.

Maior experiência e tecnologia

Nabil Belmkaddem, gerente geral da agroexportadora BestBerry, sediada na província de Kenitra, referindo-se às perspectivas da indústria de mirtilo no Marrocos, comenta que o crescimento da área plantada é constante e permanente, embora não exponencialmente. no período 2015-2019.

Ao mesmo tempo, o executivo ressalta que os produtores passaram a ter mais experiência, mais tecnologia e, sobretudo, acesso a uma ampla gama de variedades de plantas, em sua maioria mais produtivas e de melhor qualidade, para que a os níveis de produtividade estão se tornando ótimos.

Em nossa conversa, perguntamos a ele:

Quais são as perspectivas para a indústria de exportação de mirtilo marroquino?

Continuamos a ver crescimento em termos de área plantada, embora a taxa de aumento tenha começado a diminuir. Na verdade, não estamos mais na fase de crescimento exponencial de 2015-2019. Além disso, os produtores agora têm uma gama mais ampla de opções de variedades e novas fazendas estão sendo estabelecidas no sul do Marrocos (região de Dakhla, 23º de latitude) que proporcionarão maior precocidade. Ouvimos dizer que a qualidade da fruta é melhor em Dakhla, com graus Brix acima de 20 e um bom tamanho de fruta, devido às condições climáticas adequadas. Também há testes com variedades com alta necessidade de frio para serem capazes de produzir no verão nas Montanhas Atlas.

Vantagens e desvantagens

Ele comenta que a mão-de-obra continua sendo o maior desafio, principalmente no norte de Marrocos, porque o pico de produção nas fazendas coincide com a necessidade de mão-de-obra nas instalações de congelamento de morango, assim como com o ciclo da primavera. Na região de Agadir, a disponibilidade de água é bastante desafiadora. A superprodução de variedades precoces também pode levar a preços baixos no futuro. Além disso, variedades precoces e produtivas são patenteadas, deixando os produtores independentes com variedades antigas de uso público.

Entre as vantagens, destaca-se que o mirtilo é uma cultura perene e apresenta menor complexidade de produção em relação às demais frutas silvestres. O investimento inicial pode ser compensado em um período de 10 anos e, se os retornos forem adequados, os retornos são muito bons para os produtores.

Pós-pandemia

Sobre a crise gerada pela pandemia, ele garante que o principal desafio é manter a segurança do ambiente de trabalho no campo, durante o transporte e nas fábricas de embalagens. “No Marrocos temos conseguido manter a produção e exportar para a Europa em caminhões, mas o transporte aéreo foi cancelado durante a pandemia de março de 2020. O transporte aéreo é fundamental para chegar ao Oriente Médio e à Ásia”, destaca.

BlueMagazine

A entrevista pode ser encontrada exclusivamente em formato digital e adquirir gratuitamente a Revista BlueMagazine em papel, presencial, no lançamento que ocorrerá no XX Seminário Internacional de Blueberry, a ser realizada na Expo Guadalajara nos dias 2 e 3 de junho.

fonte
https://www.revistabluemagazine.com/publicaciones/edicion-2021/

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A 5ª temporada de Better with Blueberries começa na Argentina

Cientistas peruanos recuperam e estudam mirtilos selvagens nativos de ...

Chile: cresce a exportação nacional de frutas para a China e em Biobío há alta ...