México: Cranberry, mamão, abacaxi e amora, frutas estratégicas em Colima

No contexto da renegociação do Acordo de Livre Comércio (NAFTA) América, e reconhecendo as autoridades competentes responsáveis ​​pela indústria de alimentos desde 50 anos não um "planejamento estratégico" para definir com precisão e áreas de abordagem territorial tiveram produtiva, vocação das lavouras, capital social, de acordo com as novas tendências de oferta e demanda dos mercados. A Secretaria de Agricultura, Pecuária, Desenvolvimento Rural, Pescas e Alimentação (SAGARPA) concebeu uma nova estratégia chamada 2017-2030 Nacional de Planeamento Agrícola, com um melhor reflexo de quem vender e comprar produtos alimentares será feita. Ou seja, políticas e programas públicos serão implementados para reorientar o setor agroalimentar em sua adaptação à demanda dos mercados nacional e internacional.

Objetivos do Planejamento Agrícola Nacional 2017-2030

O objetivo dessa iniciativa do governo é diversificar ainda mais os mercados para não depender tanto de um único bloco comercial (Estados Unidos e Canadá), buscando vender mais na Ásia, nos países árabes e na União Européia, para negociar com a Argentina e o Brasil. fazendo alianças com o Chile e a América Central.

Com o objectivo de consolidar o sector primário como um dos principais motores da economia nacional, pretende-se um esquema para os anos 12 onde se projecta aumentar a produção agrícola 27.8%, para que programas estratégicos sejam promovidos, com uma visão de longo prazo 2017- 2030, onde se espera maximizar a produção de culturas 38.

O Planejamento Agrícola Nacional 2017-2030, agrupa as culturas estratégicas básicas: trigo, grão cristalino e farinha; milho branco e amarelo; café, cana-de-açúcar, feijão, aveia forrageira e cacau: oleaginosas (canola, girassol, cártamo e soja), bem como (sorgo de grão-de-bico), arroz e maçã.

Além das culturas com potencial de mercado: agave (tequila e mezcalero); abacate, algodão; bioenergética (mamona, jatropha, sorgo doce); cevada, pimentão e pimentão; frutas cítricas (limão, laranja, grapefruit); Morango bagas (cranberry, framboesa, amora); tomate, noz-pecã, dendê, coqueiro, mamão, abacaxi, uva e baunilha.

Será através da implementação de acções e projectos que propiciem rendimentos óptimos em regiões estratégicas de acordo com as condições agroclimáticas e de mercado, de modo a passar dos milhões de toneladas de produtos agrícolas 126.3 para 174.5 milhões de toneladas.

Estima-se que para este ano 2018, será possível atingir 142.8 milhões de toneladas (4.5% a mais) e no 2024, 157.9 milhões (15.6%). Em relação ao valor da produção, busca-se superar o que foi alcançado na 2016, com um recorde de 366.6 um bilhão de pesos; em 2018, 391.7 mmdp é esperado; 2024, 443.2, mmdp e no 2030, mais de 500.3 um bilhão de pesos.

O Plano Nacional de Agricultura 2017-2030, é muito importante segundo o secretário do SAGARPA, José Calzada Rovirosa, "porque nos diz o que produzir, onde produzir e quem deve produzir, o que é necessário para produzir, quais são os incentivos , quais são as novas tecnologias que estão em voga para poder produzir melhor e não apenas dar mais alimentos ao México e ao mundo, mas acima de tudo, dar mais renda ao produtor ". (JCR Presentation "SAGARPA lança a estratégia Nacional de Planejamento Agrícola 2017-2030", sempre 88P., 30 / 08 / 2017).

Um outro objetivo a ser alcançado é alinhar a política agrícola mexicana com a Agenda 2030 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), para cumprir o compromisso assumido por nosso país com a ONU.

Nesse sentido, o Planejamento Nacional Agrícola 2017-2030, fornece uma rota dinâmica de ação, objetivos e metas sobre os quais os setores público, privado, acadêmico e de pesquisa devem se movimentar para alcançar um crescimento sustentado e sustentável do campo mexicano.

Frutas estratégicas em Colima

Na estratégia de Planejamento Agrícola Nacional 2017-2030, a SAGARPA considerou em seu documento apenas 4 culturas como prioridades estratégicas, que são: mirtilo, mamão, abacaxi e amora.

Agora, se estas culturas nos últimos quinze anos contribuíram para reconverter o campo de colimase e atingir no ano 2016, figuras significativas no âmbito nacional, como é o cultivo do mamão que pelo valor da produção Colima ocupa o 2 ° local nacional (18% do valor total de produção); eles são seguidos pelo local 4 ° de mirtilo (7.8%); abacaxi 4 ° lugar (4.8%) e o amora 3er., local nacional (0.6%). (Tabela 1)

No entanto, em gráficos 1,2,3 e 4, posicionamento de frutas estratégicas de Colima no México 2016 indústria alimentar visto, por seu valor na produção, mostram números reais de fornecimento de tais culturas, mas também mostrar o propósito para o atingir o objetivo estipulado no PED-2016-2021, "Meta 4. Conseguir o primeiro lugar nas exportações em três produtos agrícolas "(sic). (Plano de Desenvolvimento do Estado - Colima 2016-2021, página 17)





Quanto às exportações, Colima é um estado com vocação agrícola e grande parte dos produtos exportados são agroalimentares, recebem apenas o primeiro valor agregado denominado "beneficiado", tudo pela vida curta dos produtos, capacidade limitada de a planta produtiva estadual e a falta de infraestrutura logística comercial.

Fonte: freshplaza.es

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Ranking das dez principais empresas agroexportadoras peruanas

Felipe Silva é reeleito presidente do Comitê Chileno de Mirtilo...

Um novo design de colmeia pode ajudar a impedir a extinção de ...