Espera-se que no primeiro semestre deste ano a elaboração do estudo de viabilidade possa ser concluída.

Midagri: "Peru poderia ter sua própria fábrica de processamento de fertilizantes"

O chefe do Ministério do Desenvolvimento Agrário e Irrigação (Midagri), Víctor Maita Frisancho, referiu-se ao aumento dos preços dos fertilizantes no mercado. Nesse sentido, citou a emissão de dois Decretos de Emergência; o primeiro um subsídio econômico de S/350 a S/1.300 aos produtores com 2 a 10 hectares, e o segundo, um bônus de S/350 aos produtores com menos de 2 hectares, ambos visando mitigar os impactos dos aumentos entrada. Este último será feito através do Midis.

No entanto, anunciou que dentro de duas ou três semanas, o Executivo emitirá um regulamento para reduzir o preço dos fertilizantes, através de um subsídio directo que permitirá um preço de S/100 e S/120 por saco de fertilizantes (ureia), porque atualmente os custos excedem S / 200 e S / 210 por saco.

"É um subsídio directo que vai ajudar a baixar o preço dos fertilizantes e assim garantir a época agrícola e a produção de alimentos", sublinhou o ministro.

Usina de processamento de fertilizantes
Informou ainda que espera concluir no primeiro semestre deste ano a elaboração do estudo de viabilidade para a construção de uma planta de beneficiamento de fertilizantes à base de fosfatos em Bayóvar (Piura), o que ajudará a reduzir os custos dos pequenos produtores em o país.

Nesse sentido, disse que a planta de produção de fertilizantes à base de fosfato de Bayóvar (Piura) poderá ser construída durante o atual governo de Pedro Castillo. Essa planta busca reduzir a dependência de outros países que oferecem esses produtos.

“Temos as jazidas de fosfato de Bayóvar, em Sechura (Piura) e também temos partilhado isso com as mesmas autarquias daquela região, bem como no Conselho de Ministros. Com base nisso, anunciamos que nosso país poderia ter sua própria planta de processamento de fertilizantes”, declarou.

“Faz parte da industrialização da agricultura, um dos pilares desse processo da Segunda Reforma Agrária. (…) Até agora, nós, como setor, conseguimos obter os recursos para estudar a viabilidade econômica. Esperamos que este estudo seja concluído no primeiro semestre deste ano, que é a primeira etapa”, acrescentou.

Maita Frisancho salientou que o país poderá também produzir ureia, que é o fertilizante mais popular do mundo e que atinge um consumo de 400 milhões de toneladas a nível nacional.

“Também temos feito esforços para recorrer a outros países vizinhos como a Bolívia [para adquirir ureia]. Eles o produzem, mas não nas quantidades que exigimos. Então, estamos avançando com isso e esperamos que isso seja uma realidade”, explicou.

Acrescentou que tanto seu setor como o restante do Conselho de Ministros concordam que o Peru deve ter sua própria planta de processamento de fertilizantes.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

As geadas devastadoras causam perdas significativas de mirtilos nos U...
Sonho azul: Ucrânia bate recorde histórico de exportação de mirtilo...
José Antonio Gómez-Bazán, CEO da Camposol: qual o segredo do sucesso...