Onubafruit, o primeiro produtor de bagas em Espanha, embora reduza o seu volume em 11%

A cooperativa de Huelva continua a liderar o ranking nacional embora a sua produção diminua de 90.000 para 80.000 toneladas. Mantêm-se também os seguintes lugares do pódio: Fresón de Palos, segundo com 65.000 mil toneladas (-9,7%); e Arofa, terceiro com 56.000 mil, mesmo número do ano passado.

Diminuição da área cultivada devido à menor disponibilidade de água e, portanto, menor produção e queda na rentabilidade. Estas são algumas das chaves da situação actual do sector dos frutos silvestres em Espanha, que atravessa uma situação delicada afectada pelos efeitos das alterações climáticas e pelo aumento dos preços de produção.

Esta diminuição da produção geral do sector dos frutos silvestres em Espanha também se extrapola para os números do nosso Top 15 dos frutos silvestres que produzimos no Revista MERCADOS com base nos dados fornecidos pelas próprias empresas. Desta forma, observa-se uma diminuição de 4,2% no volume combinado dos quinze maiores produtores espanhóis de frutos silvestres.

Top 3: Onubafruit, Fresón de Palos e Arofa SL

A liderança mantém isso Onubafruit, com 80.000 mil toneladas, embora reduza seu valor em 11% em relação ao volume do ano passado. Eles o acompanham no top 3, na mesma posição do ano passado, Fresón de Palos, que reduz sua produção em 9,7% e contabiliza 65.000 mil toneladas; e Arofa SL, com sede em Navarra mas com produção também em Huelva, que produz o mesmo valor do ano passado, 56.000 mil toneladas.

Os de Huelva também mantêm suas posições Cuna de Platero (4º), que melhora 1.600 toneladas e rende um total de 51.600; Fruta da Andaluzia que permanece em quinto lugar (44.000 mil toneladas, igual ao ano anterior); Surexport, sexto com 40.852 toneladas, o mesmo volume do ano passado; e Masiá Ciscar Las Palmeritas (7º), que melhora 7% e chega a 30.000 mil toneladas.

Destaca-se a ascensão de outra empresa de Huelva, a Plus Berries, aumentando a sua produção em 71%, o que a faz subir duas posições e ocupar a oitava posição com as suas 29.500 toneladas, seguida de outra natural de Huelva, a Grufesa, que perde o oitavo lugar e passa para a nona, mantendo, claro, a mesma produção do ano passado, 25.000 mil toneladas.

Melhora também a praça produtora de Algaida (10º), passando de 8.500 para 9.530 toneladas (+12%); enquanto a BerryWorld Iberia sobe três posições, para a 11.ª posição, ao ganhar 500 toneladas (de 4.000 para 4.500, mais 12,5%). 

A Frutas Esther, com sede em Múrcia, mantém o 12º lugar, embora reduza o seu volume de 5.000 para 4.500 toneladas (-10%), tal como a cooperativa de segundo nível Almeria Unica Group (13.º), que reduz o seu volume de 4.500 para 4.000 ( -11).%).

Fechando este Top 15 estão Surberry de Huelva (14º), com 3.000 toneladas, ou seja, 20% a mais; e Alfrut, que surge no ranking na 15ª posição com 2.306 toneladas. Destaca-se o afastamento do ranking da Euroberry Marketing sevilhana, que no ano passado ocupou o nono lugar com 22.000 toneladas.

Nota explicativa: este Top 15, elaborado pela Revista MERCADOS, inclui as empresas que quiseram fornecer seus dados para participar.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Bagas e frutas do Marrocos e do Egito despertam grande interesse em Ka...
“A Roménia torna-se uma origem estratégica, uma vez que cobrirá uma...
“Apoiamos a redução da jornada de trabalho e esperamos que o tempo integral seja aplicado...