Patrick Du Jardin sobre bioestimulantes: "Eles são definidos por sua função e não por seus nutrientes"

O académico da Universidade de Liège, na Bélgica, participou no programa International Expert on Blueberry Irrigation and Nutrition, organizado pela Blueberries Consulting em conjunto com a Universidade de Almería.

Com a palestra "Bioestimulantes vegetais, inovação para produção sustentável de culturas", o destacado acadêmico Patrick Du Jardin, professor de biologia vegetal e pesquisador em fisiologia e nutrição vegetal, passou a fazer parte do grupo de professores de destaque para participar do programa "International Expert em Irrigação e Nutrição em Mirtilos: produção convencional e cultivo sem solo”.

O doutor em ciências e professor titular da Universidade de Liège, na Bélgica, fez parte da equipe que ajudou a definir o que são os bioestimulantes na última regulamentação agrícola da União Europeia. Sua expertise foi demonstrada durante a palestra através da realização de uma exaustiva revisão bibliográfica das pesquisas existentes sobre esta oferta. 

Bioestimulantes, o que são e que inovação representam?

Du Jardin explicou que, embora haja variações na definição de bioestimulante, as diferentes versões tendem a concordar em três características: não são fertilizantes, não são produtos fitossanitários e sua definição é baseada em sua função. 

“A bioestimulação de uma planta é um tipo de efeito fisiológico que melhora o crescimento e a qualidade das plantas”, disse o professor, iniciando a revisão de diferentes publicações sobre o assunto.

O primeiro uso da palavra bioestimulante no mundo acadêmico ocorreu em um artigo publicado por Ricardo Russo e Graeme Berlyn, da Universidade de Yale, onde recomendaram seu uso para agricultura sustentável ou de baixo recurso. 

Zhang e Schmidt, da Virginia Polytechnic University, definem os bioestimulantes como materiais que promovem o crescimento das plantas. Além disso, eles são novamente diferenciados dos fertilizantes, explicando que os bioestimulantes têm um efeito que não é devido aos nutrientes, portanto, eles têm uma ação em pequenas doses. Em vez disso, os fertilizantes devem ser usados ​​em quantidades maiores para fornecer nutrientes à planta.

De acordo com a definição da União Europeia, os bioestimulantes tem como objetivo melhorar uma ou mais das seguintes características da rizosfera vegetal: eficiência nutricional, tolerância ao estresse abiótico, características de qualidade e disponibilidade de nutrientes confinados no solo ou rizosfera. Se um produto puder melhorar uma ou mais dessas características, ele poderá ser declarado como bioestimulante no mercado da União Européia.

Oferta de bioestimulantes

Os mais encontrados no mercado são: extratos de algas marinhas, proteínas hidrolisadas, ácidos húmicos e fúlvicos. No entanto, é crescente a oferta de bioestimulantes a partir de extratos vegetais, produtos de fermentação, resíduos industriais, microrganismos, tecnologias avançadas, entre outros.

As funções para as quais os bioestimulantes podem ser direcionados, dentro das características que os definem, são tão diversas quanto as formas de tratamento. Podem ser aplicados, por exemplo, via fertirrigação em plantas, cultivos e solo; pode ser usado como revestimento de sementes ou fertilizante e em uma ampla gama de culturas. 

A inconsistência da atuação no campo com relação ao laboratório tem sido uma das maiores limitações para a investigação da aplicação de bioestimulantes na agricultura e horticultura.

Um dos problemas é que, quando se usa um bioestimulante, nem sempre fica claro qual é o benefício esperado. “Devemos entender os bioestimulantes como uma nova forma de mudar a expressão genética de um gene que controla uma característica da planta. Portanto, se quisermos que esses bioestimulantes funcionem de maneira mais eficiente, devemos ter clareza sobre os resultados esperados de seu uso”, disse Du Jardin.

Inovações para aumentar o uso eficiente de nitrogênio

A agricultura de precisão, o uso de fertilizantes de liberação lenta e controlada, além de fertilizantes estabilizados, são algumas das opções que ajudam a otimizar o aproveitamento que a planta dá ao nitrogênio.

Para obter o mesmo efeito, os bioestimulantes modificam a fisiologia da planta. Um exemplo são os rizóbios, que “poderão abrir novas raízes para que o nitrogênio entre na planta”, explica Du Jardin. 

A forma agronômica de medir o uso eficiente do nitrogênio é um produto entre a eficácia da absorção de nitrogênio, ou seja, o que é absorvido pela planta dada a quantidade aplicada, e a eficiência do uso do nitrogênio.

Podemos revisar como controlar as diferentes variáveis ​​das quais depende a eficiência do uso do nitrogênio. No entanto, Patrick Du Jardin afirmou que há um "problema de gargalo": embora a comunidade científica entenda a capacidade dos bioestimulantes de manipular o genoma de uma planta, há dificuldades em dissecar o desenvolvimento da planta nas diferentes características que podem ser trocadas por bioestimulantes .

“Assim como os genes fazem o genoma, os fenômenos fazem o fenômeno. A dificuldade é que dissecar o fenômeno nos diferentes fenômenos é uma tarefa complicada que devemos fazer, porque isso nos ajudará a definir melhor como os bioestimulantes agem na planta”, afirmou Du Jardin.

Maior tolerância ao estresse abiótico

Os bioestimulantes podem aumentar significativamente o rendimento das culturas contra problemas que causam estresse nas plantas, como seca ou salinidade.

“É aqui que os bioestimulantes são mais interessantes, porque contribuem para altas produtividades junto com pesticidas e fertilizantes, sendo considerados não como substitutos do biocontrole, mas como tecnologia incremental”, disse o professor de biologia vegetal. 

Os bioestimulantes podem ajudar a preparar uma planta para enfrentar um episódio de estresse, auxiliá-la durante o episódio e contribuir para sua recuperação após o evento.

Finalizando sua palestra, Patrick Du Jardin destaca o interesse científico existente nos bioestimulantes, e como isso irá alavancar a oferta no mercado. No entanto, em sua opinião, três desafios devem ser superados primeiro.

A primeira é científica, compreendendo os mecanismos de ação dos bioestimulantes, sua interação com a planta e outros ambientes, a fim de eliminar as diferenças entre resultados experimentais de laboratório e de campo.

Além disso, indica que dificuldades técnicas devem ser superadas, para entregar as indicações adequadas para o manejo dos agricultores. E, finalmente, criar uma regulamentação consistente em todo o mundo, baseada na ciência, para facilitar o acesso aos bioestimulantes em diferentes mercados. 

Mais informações sobre inovações e avanços científicos que podem contribuir para a eficiência de culturas de alto valor, como o mirtilo, serão exibidas na Seminários Internacionais de Mirtilos 2023. Para mais informações sobre essas reuniões, escreva para contact@blueberriesconsulting.com ou WhatsApp +56 9 3469 3871.

fonte
Catalina Pérez Ruiz - Consultoria Mirtilos

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Em julho, a FAO México conclui estudo de zoneamento agroecológico em J...
Professor Bruno Mezzetti estará na Blueberry Arena na Macfrut 2024
“França e Bélgica permanecem territórios inexplorados para...