Peru consolida avanço de suas exportações para o mercado chinês

O embarque de alimentos como abacate, mirtilo, quinoa e café, entre outros, se destaca

A Comissão de Promoção das Exportações e Turismo do Peru (Promperú) vem implementando diversas ações para promover a oferta nacional exportável no atrativo mercado chinês, contribuindo para o crescimento das exportações de produtos como abacate, mirtilo, quinoa, café; produtos hidrobiológicos como camarão e lula gigante; além dos pisos de madeira, bonecos de alpaca, roupas e acessórios feitos com essa fibra fina.

Ele destacou que as ações de promoção do café peruano naquela praça, realizadas por meio dos escritórios comerciais no exterior, começaram em 2018 por meio de missões inversas ao Peru: degustações, degustações de café, seminários e transmissões ao vivo ao público.
Como resultado, os embarques de café peruano para a China aumentaram significativamente de 468,329 dólares em 2018 para 1.7 milhão de dólares em 2021.
Da mesma forma, o café especial peruano entrou na plataforma de e-commerce da Chunbo em 2021 para ampliar sua entrada no mercado chinês.

Quinoa e alpaca  

Ele também destacou o aumento das exportações de brinquedos de quinoa e alpaca para a China, onde a venda internacional de nosso precioso grão atingiu três milhões de dólares nos três primeiros trimestres de 2021, com um aumento de 193%. Enquanto isso, a exportação de brinquedos de alpaca cresceu de 8,612 dólares para 233,630 dólares.
Em ambos os casos, foram realizadas ações como campanhas promocionais de Alpaca del Perú (vestuário, acessórios e brinquedos de alpaca) realizadas ao longo do ano em mídias digitais e físicas que permitiram atingir quase 500,000 consumidores, com um volume de vendas no mercado superior a US$ 150,000 .

Compradores 

Durante o ano passado, a Promperú em Xangai apoiou 139 exportadores e realizou atividades com 59 compradores chineses.
Também liderou 18 seminários presenciais e virtuais, sobre diversos temas como pesca, comércio eletrônico, cafés especiais, alpaca, entre outros.
No sul da China, as informações sobre novos produtos são dedicadas a chocolates, óleo de sacha inchi, batatas nativas, cápsulas de maca e palo santo.
Em relação ao ano passado, a Promperú em Pequim realizou 20 seminários presenciais e virtuais. Da mesma forma, executou 48 agendas de negócios entre exportadores e importadores chineses.
“Na China há um alto potencial de entrada de quinoa e maca, devido ao seu alto valor nutricional. Produtos processados ​​com essas características são atrativos para esse mercado”, disse a presidente executiva da entidade promotora, Amora Carbajal.
Ele acrescentou que atualmente os consumidores chineses estão interessados ​​em comprar produtos saudáveis ​​e a Super Foods Peru, como o sacha inchi, o café e os derivados do cacau, estão mostrando uma tendência de alta.

Vestuário e artigos de decoração 

Por outro lado, explicou que as roupas de alpaca, os artigos de decoração e os bonecos estão a ter uma boa aceitação no mercado chinês, refletido nos números positivos do ano passado.
Refira-se que, em 2021, foi desenvolvido na China um estudo prospectivo focado na identificação e caracterização do mercado têxtil chinês para vestuário em alpaca. Isso identificou 50 novos contatos comerciais em potencial, além de informações sobre as expectativas dos compradores chineses.
“Como parte do plano de promoção da Aliança do Pacífico (AP), estão sendo realizados seminários de promoção e preparação de investimentos para acesso ao canal de e-commerce na Ásia, bem como um programa especializado para avaliar o potencial de entrada nesses pequenos marketplaces dos exportadores de AP”, relatou.
As atividades desenvolvidas pela entidade promotora não cessam, razão pela qual já está a organizar as apresentações do Peru nas feiras Hotelex, Caffex, SIAL, Shanghai Fisheries, Guangzhou Fisheries, China Fisheries, FHC, CIIE e CAFFEX, a realizar durante 2022.
Este ano, além disso, várias campanhas e promoções digitais serão realizadas nas lojas da JD no Peru e em breve na Tmall, a maior loja virtual do mundo, que movimenta uma média de 2,000 milhões de dólares por ano em vendas de e-commerce.

exportações 

Nos últimos 10 anos, a China se consolidou como o principal parceiro comercial do Peru. Os embarques para esta potência asiática duplicaram de 7,841 milhões de dólares em 2012 para 16,856 milhões de dólares no período janeiro-novembro de 2021.
96% das exportações correspondem ao setor de mineração de energia, que cresceu 9% na última década, com destaque para minerais de cobre e seus concentrados (9,967 milhões de dólares), minerais de ferro (1,640 milhões de dólares), farinha em pó e pellets de peixe (1,421 milhões de dólares ), entre outros.
Por outro lado, no setor energético não minerário, o setor pesqueiro respondeu por 52% dos embarques, seguido do setor agropecuário com 27%, que se consolida como um dos setores que mais crescem na última década, chegando a 15.7%. Incremento. Segue-se em ordem de importância o setor têxtil com 7% e madeira e papel com 6%.
Quanto aos principais produtos exportados para o mercado chinês, destacam-se a lula congelada (98 milhões de dólares) e a lula enlatada (65 milhões); mirtilos (60 milhões), caudas de camarão (59 milhões), outros pêlos finos (33 milhões), abacates frescos (28 milhões), entre outros.
Em 2021, 548 empresas exportaram para a China; Destes, 86% de seus embarques vêm de regiões, sendo Ancash o departamento que lidera os embarques com 17%, seguido por Arequipa (13%), Ica (12%), Apurímac (11%), Cusco (9%). e Moquegua (8%).

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Ranking das dez principais empresas agroexportadoras peruanas

Felipe Silva é reeleito presidente do Comitê Chileno de Mirtilo...

Um novo design de colmeia pode ajudar a impedir a extinção de ...