Peru: A liderança nasce das variedades

"As novas genéticas oferecem qualidades que tornam a indústria peruana muito competitiva, em maior produtividade, frutos de maior tamanho, melhor equilíbrio entre açúcar e acidez, além de maior resistência a pragas e doenças, entre outros."

Muito se tem escrito sobre o grande sucesso da indústria peruana de mirtilo, que nos surpreende ano após ano com grandes volumes de produção e exportação para os mercados mais importantes. É uma das indústrias mais novas do mercado, mas tem demonstrado grande garra, aprendizado rápido, perseverança e criatividade para adaptar a cultura a um clima diferente e solos arenosos praticamente inertes.

Atualmente, o Peru é o líder indiscutível na exportação de mirtilos frescos no mundo, embora seja um líder inconsolidado em termos qualitativos e provavelmente, graças à permanente substituição varietal, pode se tornar a indústria que define o padrão no mercado internacional de mirtilos. principalmente pela qualidade dos frutos e pela bater como de seus manejos.

Biloxi, uma rainha em retiro

Em 2016, dos 1.118 hectares plantados no país, 58% correspondiam à variedade Biloxi, seguida da Rocío (18%), Ventura (12%), Esmeralda (7%) e 5% correspondentes a outras nove variedades. Com a Biloxi, a indústria peruana iniciou uma trajetória de expansão da safra que se traduziu em um crescimento de aproximadamente 3.000 novos hectares plantados anualmente, até os atuais 17.943 hectares, em que a variedade Biloxi representa 25% com 4.482 hectares plantados, sendo apenas superada nas duas últimas safras pela variedade Ventura, das quais são 6.003 hectares plantados, correspondendo a 33%, depois Rocío e Esmeralda, com 6% cada.

Um terço das novas alternativas

O importante desses números e sua mobilidade nos últimos seis anos é que já são 5.235 hectares plantados com mais de 60 novas variedades, o que corresponde a 29% do total e cresce rapidamente, pois as novas genéticas oferecem qualidades que proporcionam uma muita competitividade à indústria peruana, em maior produtividade, mais calibre da fruta, melhor relação açúcar-acidez, além de ser mais resistente a pragas e doenças entre outros.

Um laboratório a céu aberto

Uma dezena de novas variedades são adicionadas anualmente à oferta peruana, chegando a 65 na atual temporada, que são rapidamente avaliadas porque o clima peruano permite que a planta tenha praticamente 60% de produtividade em apenas um ano.

Esta realidade é uma vantagem para os produtores peruanos conhecerem desde cedo a adaptabilidade da planta, seu comportamento produtivo e as qualidades e vantagens oferecidas pelo fornecedor e a ficha técnica que a acompanha. De certa forma, o Peru é um laboratório a céu aberto onde se pode testar a nova oferta fitogenética e, portanto, este conhecimento pode ser aplicado em todo o mundo, em cada país produtor interessado.

Liderança baseada na qualidade

O Peru claramente não é apenas grandes volumes. A indústria peruana está prestes a liderar a indústria mundial de mirtilo em todas as áreas e no quesito qualidade da fruta pode se tornar uma competidora imbatível, explorando desde cedo novas alternativas genéticas para sua produção.

A liderança internacional da indústria peruana na busca pela qualidade dos frutos e o comportamento e resultados das principais alternativas varietais serão alguns dos temas que serão aprofundados nos próximos Seminário Internacional de Mirtilo a ser realizada em Lima nos dias 8 e 9 de março no Lima CCL Convention Center, onde estarão presentes os principais viveiristas e empresas relacionadas com a nova genética de mirtilos.

fonte
Martín Carrillo O. - Consultoria de mirtilos

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Exportação de cerejas chilenas quase triplica em janeiro de 2024: China...
A temporada de mirtilo marroquino avança em duas velocidades
Onubafruit, o primeiro produtor de bagas em Espanha embora reduza 11%...