Lançamento da Rede Nacional de Laboratórios de Solos do Chile

Com a ajuda de autoridades internacionais, representantes do Ministério da Agricultura e autoridades locais e regionais, e chefes de laboratórios do país, de Copiapó a Aysén, ocorreu hoje o lançamento oficial da Rede Nacional de Laboratórios de Solos do Chile, um importante marco de coordenação e organização que começou em 2018 quando o Departamento de Solos e Recursos Naturais, da Faculdade de Agronomia da Universidade de Concepción, participou como Laboratório de Referência representando o Chile e a Universidade no estabelecimento da Rede Latino-Americana de Laboratórios de Solos (LATSOLAN).

Esta atividade faz parte das ações da World Alliance for Soil (AMS)-FAO, que visa harmonizar métodos de análise, medidas e indicadores para a gestão sustentável e proteção dos recursos do solo, participação que ocorre a convite de Rodrigo Osorio, Coordenador Nacional do Programa de Recuperação de Solos Degradados e Ponto Focal Nacional da Aliança Mundial pelo Solo – FAO, localizado no SAG, Ministério da Agricultura.

A Rede Nacional de Laboratórios de Solos do Chile coordenará as atividades da área com o que é realizado em nível latino-americano e global, conforme indicado pelo acadêmico do Departamento de Solos e Recursos Naturais de Agronomia da UdeC, Dr. Erick Zagal. “É essencial que todos os laboratórios de solos do Chile interajam entre si, no desenvolvimento de suas capacidades em análise de solos, superando desafios comuns e ajudando uns aos outros. Desta forma, serão facilitados os processos de harmonização da análise do solo a nível nacional; e a transferência de conhecimentos adquiridos pelos laboratórios participantes das atividades do GLosolan em nível nacional e para o manejo sustentável do solo”.

Relativamente ao impacto e alcance que este novo laboratório terá, o Reitor da UdeC, Dr. Carlos Saavedra, disse que “isto é essencial para o nosso país e para os desafios do ponto de vista do desenvolvimento da capacidade produtiva agroalimentar , uma vez que se exige a análise das condições em que está operando e a atualização dessas condições. Ter uma rede nacional de caracterização é fundamental para essas questões e para os desafios que o Chile se colocou como potência agroalimentar e dentro de um quadro de agricultura sustentável”.

Uma das responsabilidades de atuar como laboratório de referência é coordenar as atividades para a integração dos laboratórios chilenos em redes regionais e globais, eixo destacado por Lucrezia Caon, coordenadora da Rede Mundial de Laboratórios de Solos da FAO, e pelo Subsecretário de Agricultura , José Guajardo, “esta rede é muito relevante para a atividade do Ministério da Agricultura e a nível global para as organizações que lidam com a questão dos recursos naturais. Estamos diante de uma situação de mudança climática e também estamos muito preocupados com a segurança e soberania alimentar, e nesse contexto, essa rede dá a garantia de que todos os estúdios serão padronizados de forma que possam atender nacional e internacionalmente.”

Na mesma linha, o Director Regional Adjunto do SAG de Ñuble, Roberto Ferrada, acrescentou que "esta edição da rede nacional de laboratórios deriva da aliança global para a protecção do solo que procura dar sustentabilidade ao recurso solo e uma sustentabilidade não só do ponto de vista produtivo, mas também da proteção ambiental”.

Por sua vez, Rodrigo Osorio, Coordenador Nacional do Programa SIRSD-S e Ponto Focal Nacional da Global Alliance for Soil – FAO. Engenheiro agrônomo da Divisão de Proteção de Recursos Naturais Renováveis ​​do SAG, destacou que “todos os laboratórios em nível nacional vão gerar uma metodologia homogênea para produzir informações confiáveis ​​e seguras com as quais possam ser estabelecidas diretrizes sobre as políticas públicas, especialmente no manejo sustentável da terra”. .

Na cerimônia de lançamento, destacou-se a apresentação feita por María de Los Ángeles Sepúlveda, que se referiu à importância desta Rede Nacional de Laboratórios de Solos do Chile. “Os avanços que podemos fazer, juntos, nos permitirão apoiar a tomada de decisão nacional para essa gestão sustentável. Integrar-nos na linha de trabalho GLOSOLAN nos permitirá apoiar a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, além de gerar dados harmonizados para contribuir com a avaliação e monitoramento de solos degradados e/ou afetados por mudanças climáticas e outras ameaças que afetam nossa comida segura.

A atividade culminou com a palestra de Miriam Ostinelli, presidente da Rede Global de Laboratórios de Solos (GLOSOLAN, na sigla em inglês), que pertence ao Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA, Argentina); em “Ferramentas para controle de qualidade em um laboratório agrícola. Amostras de controle interno”; e posteriormente houve palestras relacionadas à Harmonização de Metodologias de Análises Químicas e Biológicas, e um dia de campo interlaboratorial de parâmetros físicos, pelo professor, Dr. Marco Sandoval Estrada.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A Freshfel Europe defende a competitividade do setor dos produtos frescos...

Projeto de robótica aponta para uma 'mudança de mar' no p...

A crise agroalimentar piora após sete meses de guerra no...