A nova regulamentação da lei plástica do Peru pode afetar os importadores

No Peru, eles estão processando a regulamentação da Lei dos Plásticos para uso único, que esperam ser aprovada em julho.

Com a entrada em vigor da referida lei, um grande número de empresas seria afetado e, até agora, ainda está em dúvida se afetará a indústria agroexportadora peruana.

Jesús Salazar, presidente do Comitê de Plásticos da Sociedade Nacional de Indústrias (SNI) explicou ao PortalFrutícola.com, que a lei 30884 "só regula o plástico de uso único ... o que é consumo de alimentos, transporte de alimentos, consumíveis. "

"Mas esses contêineres para exportação agrícola não são considerados, estão além do escopo desta lei", afirmou.

No entanto, ele esclareceu que talvez pudesse afetar o setor, na negociação de regulamentação.

"Porque há um último artigo que diz a lei, onde eles mencionam que o Ministério do Meio Ambiente através do regulamento que é feito para a lei poderia incorporar outros produtos de plástico que podem causar o mesmo efeito que aqueles que estão sendo regulamentados", ele indicou.

No Peru, as embalagens plásticas flexíveis e rígidas são as 60% da produção nacional de plástico. Razão pela qual Salazar considera que a lei teria um impacto bastante forte sobre a indústria plástica peruana.

"A produção de embalagens flexíveis no Peru é mais ou menos 350 mil toneladas por ano e a embalagem rígida é de cerca de 320 mil toneladas por ano", afirmou.

Ele acrescentou que "todos os tipos de embalagem estão incluídos aqui ... mas, com isso, considero que pelo menos um 30% estaria dentro do escopo da regulamentação da lei".

Plano de ministério

Salazar disse que o setor não coincide com o plano gerado pelo Ministério do Meio Ambiente do Peru, apesar de compartilhar o objetivo de proteger o meio ambiente.

"Eles optaram por uma proibição por um lado e, por outro lado, os sacos que são procurados no mercado estão aumentando sua espessura e volume, o que significa que estamos aumentando o problema final de exposição desses produtos pós-consumo e o problema vai ser maior ".

Ele disse que parte da solução para eles envolve a economia circular, que não é apenas reciclagem, embora seja um componente importante.

"Falamos, por exemplo, do redesenho de nossos produtos", disse ele, acrescentando que a indústria de plásticos precisa adaptar seus modelos e processos de produção a materiais mais amigos do meio ambiente, para projetos mais ecológicos que facilitem a reciclagem.

Ele ressaltou que também há muito trabalho a ser feito pelo lado dos consumidores, que eles sabem o que fazer com o produto quando terminarem de usá-lo.

Como a lei é nacional, os importadores e todas as empresas que levam produtos para o Peru devem se manter informados sobre como a nova legislação impacta seus produtos.

"A lei foi aprovada em dezembro do ano passado e os regulamentos da lei estão saindo em julho, já estamos nos últimos passos. Eu acredito que já em julho, agosto, temos regulamentos ", observou ele.

fonte
PortalFruticola

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Em julho, a FAO México conclui estudo de zoneamento agroecológico em J...
Professor Bruno Mezzetti estará na Blueberry Arena na Macfrut 2024
“França e Bélgica permanecem territórios inexplorados para...