Samuel Escalante: "Existe um espaço poderoso para a produção precoce de cerejas no Chile"

O diretor da Viveros El Tambo conversou com a Blueberries Consulting sobre o futuro das cerejas, a fruta mais valiosa produzida no Chile.

A participação do Chile na cultura da cereja no hemisfério sul é indiscutível. Na campanha 2021/2022, conseguiu exportar 95,7% da fruta produzida para o sul do Equador, enviando 356.305 toneladas segundo dados da Iqonsulting.

"A produção do Chile é muito grande e ainda tem inércia para continuar crescendo", disse Samuel Escalante, diretor da Viveros El Tambo Chile y Perú, à Blueberries Consulting durante o evento Fruittrade da Associação de Viveiros do Chile.

Desde 2017, as exportações chilenas de cereja cresceram exponencialmente, segundo informações da Secretaria de Estudos e Políticas Agrárias (Odepa). A maior diferença ano a ano é entre 2020 e 2021, quando as toneladas embarcadas para o exterior aumentaram 44,75% após a reabertura parcial da China devido à pandemia de Covid-19.

A fruta é popular durante a celebração do Ano Novo Chinês, pois simboliza perfeição, eternidade, fortuna e prosperidade na cultura oriental, sendo muito procurada pela classe média alta como um bem de elite. O forte consumo da cereja neste feriado produz um pico no preço da commodity, que nem é afetado pelo grande volume exportado para este país: 313.961 toneladas na safra 2021/2022.

A colheita das variedades de cereja mais plantadas no Chile; Lapins, Santina, Regina e Bing, começa a partir da segunda semana de novembro, bem a tempo de chegar à China durante as comemorações do Ano Novo, que em 2023 será mais cedo do que o normal: 22 de janeiro.

Segundo Escalante, viveirista de diversas variedades licenciadas de cereja, o foco dos produtores de mudas agora é ampliar a oferta de cultivares de safra precoce. Estas são as vendas feitas na China entre a semana 43 e 45, período em que a maior parte das cerejas começa a ser colhida no Chile, onde se atinge o preço mais alto por quilo, que pode chegar a 50 dólares no meio da semana 43 (dados de 2021, Iqonsulting).

“É verdade que as plantações de cerejeira contraíram mais acentuadamente, porque as cerejas que chegam depois do Ano Novo Chinês baixam muito de preço. Mas na parte inicial tem um espaço potente, é uma área que com certeza vai ficar saturada com o tempo, mas pra isso falta”, opinou a viveirista.

O alto preço das variedades precoces pode ser explicado pela baixa oferta presente nessa época do ano. Embora possa representar uma vitrine atrativa para a indústria chilena, seu preço pode ser afetado caso os volumes exportados aumentem drasticamente.

Monomercado

87,8% da cereja chilena colhida entre janeiro e outubro de 2022 foi enviada para a China.Na temporada de 2017, foram observados preços médios de US$ 10 por quilo. Em 2021, caiu para $ 7,6.

“Agora que apertou, as pessoas estão procurando (novos mercados), mas se antes éramos 95% para a China, agora estamos perto de 90%”, disse Escalante. O viveirista indicou que espera que a tendência continue com o tempo e que a participação da China seja reduzida devido a uma maior entrada de cerejas chilenas nos EUA e na Europa, onde “os preços já não são tão extraordinários, mas serão bons”.

“Ser dependente de um mercado único é algo que obviamente te deixa muito inconstante. Mas a China continuará sendo o grande gigante onde você pode comer essa quantidade de frutas chilenas”, acrescenta.

O novo cenário de preços por quilo mais baixos na China, e de preços ainda mais baixos em outros mercados, como Europa e Estados Unidos, impõe um novo dilema aos produtores: eles devem adequar suas finanças para serem sustentáveis, recebendo lucros líquidos menores.

Samuel Escalante não acredita que seja possível reduzir os custos de produção: "Adubos sobem, mão de obra sobe... Obviamente você pode ser mais eficiente, e não há dúvida de que conforme as coisas apertam, as pessoas avançam e conseguem."

O diretor da Viveros El Tambo acredita que o mercado se ajustará por conta própria, achatando a curva de crescimento das exportações de cereja para a China na alta temporada, enquanto as variedades precoces podem ter um aumento significativo nos próximos 3 a 4 anos. 

“Sou viveirista e me convém que a galera continue plantando e plantando. Mas deve parar. E isso não é por planejamento, mas porque as oportunidades de mercado são reduzidas, os volumes começam a ser antagônicos uns aos outros”, finaliza.

Para mais informações sobre o estado da indústria da cereja no Chile, convidamos você a assistir ao Seminário Internacional Blueberries Consulting 2023, no próximo dia 13 de abril no Monticello Conference Center. Durante o evento, serão realizadas palestras técnico-comerciais de alto nível em duas salas, cada uma dedicada exclusivamente aos mirtilos e cerejas. Além disso, haverá uma sala comum onde fornecedores, produtores e dirigentes de duas das mais importantes indústrias de frutas do país poderão desfrutar de diversas atividades de networking.

fonte
Por Catalina Pérez Ruiz - Consultoria Mirtilos.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Cerejas chilenas: uma temporada discutível
Os mirtilos de Yunnan estão atualmente em sua última temporada...
Agrivoltaicos para frutas vermelhas