Uma nova plataforma de marketing permitirá o planejamento da produção agrícola na Andaluzia para obter preços justos

Uma nova Plataforma de Marketing permitirá o planejamento da produção agrícola na Andaluzia. Esta iniciativa nasceu como uma ferramenta que vai ajudar a avançar na procura de um “preço justo para o agricultor pelo seu produto e pelo seu trabalho”.

Foi o que explicou a ministra da Agricultura, Pecuária, Pesca e Desenvolvimento Sustentável, Carmen Crespo, que se orgulhava da inovação do campo andaluz, ao qual o Pólo de Inovação Tecnológica na Agricultura Cita 4.0 da Andaluzia, que terá sede em Almería e onde “já estão a ser dados passos importantes” à medida que o contrato é adjudicado. Plataforma de Marketing.

“A Andaluzia terá uma ferramenta que lhe permitirá planear a produção agrícola, questão fundamental para avançar na procura de um preço justo para os agricultores pelo seu produto e pelo seu trabalho”, destacou Crespo, que presidiu ao evento em Madrid. 'Descubra o sabor da Andaluzia no Fruit Attraction', organizado no estande institucional da Diretoria na Feira Internacional do Setor de Frutas e Hortaliças (Atração de Frutas) 2021.

O responsável pela Agricultura destacou que a Andaluzia inicia a sua participação neste importante evento “mostrando que somos líderes em sustentabilidade e sabor em todo o mundo” e destacou os 7.500 milhões de euros que as exportações agroalimentares da Andaluzia atingiram nos primeiros seis meses do ano, “mais 500 milhões de euros que no ano passado”.

“Isto mostra que o setor está mais vivo do que nunca”, afirmou Crespo, salientando que agora, na desescalada da pandemia de Covid-19, “precisam do apoio das administrações públicas”. “O Governo da Andaluzia tem certeza de que continuará apoiando um setor cujas práticas sustentáveis ​​devem ser reconhecidas na Europa”, afirmou.

Em seu discurso, o conselheiro afirmou que a nova Política Agrícola Comum (PAC) “representa-nos a todos” e considera que as práticas agrícolas que se desenvolvem na Andaluzia são “social e ambientalmente sustentáveis”.

“Todos os setores agroalimentares da Andaluzia, e especialmente o setor das frutas e legumes, devem ter um peso específico na nova PAC e dispor de mecanismos de mercado que permitam evitar desequilíbrios na cadeia, fundamentalmente, na área dos preços, ", afirmou o conselheiro.

Por outro lado, Carmen Crespo afirmou que o Governo andaluz trabalhará para "remover freios" como o veto russo “permitir a exportação de frutas e legumes para este país e também ser líderes numa área onde, neste momento, a Andaluzia não está localizada”.

Anunciou também que, face à incorporação de 2.000 jovens agricultores e pecuaristas aos beneficiários das ajudas destinadas a este grupo, O Ministério aumentará os incentivos para “continuar avançando na mudança geracional do campo” e no apoio às mulheres.

Da mesma forma, o responsável pela Agricultura destacou que a Andaluzia é líder na produção biológica e destacou que, desta comunidade autónoma, “aguardamos a entrada em vigor da lei dos resíduos” que regula a obrigatoriedade do produtor alargado. responsabilidade.

“Entretanto, a Andaluzia já está a trabalhar num sistema de rastreabilidade” e, como explicou Crespo, lançou, em colaboração com as câmaras municipais da comunidade autónoma, a iniciativa Compromisso Branco para atingir a meta de desperdício zero na agricultura.

“Continuamos avançando de mãos dadas com o setor, as organizações empresariais e as organizações agrícolas, e ouvimos o setor no dia a dia”, sublinhou o conselheiro antes de desejar “uma boa feira” a todos os produtores da Andaluzia que foram incentivados a participar este evento internacional que estará em Madrid até hoje, quinta-feira.

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A indústria peruana de mirtilo se recupera e cuida de suas colheitas
«Se receberem atenção suficiente, as amoras certamente têm poder...
Agrícola Cayaltí aposta no mirtilo em Lambayeque: Qual é a sua...