Unidade de Pós-colheita do INIA em conjunto com empresas do setor agrícola apresenta avanços tecnológicos para exportação de abacate e mirtilo

A incorporação de tecnologia tem sido fundamental para que o abacate e o mirtilo cultivados no Chile ocupem um lugar importante nos mercados internacionais. Nesta tarefa, a Unidade de Pós-colheita do INIA, chefiada pelo Dr. Bruno Defilippi, tem sido fundamental para o fortalecimento das exportações nacionais.

Por isso, aproveitando o fato de que ainda não começou a temporada ativa de exportação de ambas as frutas no Chile, parte da equipe de trabalho desta Unidade da Área de Alimentos do Futuro do INIA está participando de uma série de atividades que visam divulgar os últimos avanços. que têm permitido ao país responder às demandas dos consumidores em todo o mundo. “Com essas ações de divulgação queremos ajudar produtores, exportadores e fornecedores de insumos a atualizarem seus conhecimentos”, destacou Bruno.

Sobre os avanços, o especialista explicou que “a qualidade do produto consumido, tanto em termos organolépticos quanto em termos de segurança, além da abertura comercial que o Chile teve nos últimos anos, foram fatores fundamentais no desenvolvimento de tecnologias que permitem-nos chegar a mercados distantes como a Ásia, onde se escoa uma percentagem significativa de abacates e mirtilos, e, recentemente, o australiano, onde os abacates são preferidos ”, afirmou.

Além disso, acrescentou o especialista, “devemos considerar que todas as estações são diferentes e, portanto, todos os atores da cadeia produtiva devem estar preparados para responder a essas mudanças. Por exemplo, no abacate tivemos um outono e um inverno com mais chuvas, o que difere dos últimos anos, e será interessante ver como esse fator afeta o desenvolvimento de algumas variáveis ​​de deterioração da qualidade ”.

Atividades

Aproveitando a ampla utilização da plataforma de videoconferência, estão sendo realizados treinamentos, cursos e seminários, tais como:

  • Conferência Profissional de Abacate, organizado por Agricultural Seminars. Este evento reúne pesquisadores das principais universidades do país que atuam no segmento de abacate, com os quais já atuam há alguns anos em projetos de Fondecyt, buscando solucionar -por exemplo- aspectos críticos na produção e exportação de abacate, como heterogeneidade e amaciamento de frutas, o efeito de tecnologias pós-colheita e o desenvolvimento de doenças externas e podridão | Veja mais

fonte
INIA

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Em julho, a FAO México conclui estudo de zoneamento agroecológico em J...
Professor Bruno Mezzetti estará na Blueberry Arena na Macfrut 2024
“França e Bélgica permanecem territórios inexplorados para...