Visita do Ministro da Alfândega da China traz avanços significativos para o comércio bilateral agrícola e pecuário entre a China e o Chile

Uma boa notícia para o setor de exportação de frutas chilenas e outros produtos agrícolas nacionais foi entregue durante a visita oficial do Ministro das Alfândegas da República Popular da China, Ni Yuefeng, ao Chile. Entre os acordos assinados incluem-se a renovação de exigências para o transporte de frutas frescas no armazenamento a frio de navios, a abertura para avelãs sem conchas e produtos de aves domésticas, juntamente com o levantamento do alerta de gripe aviária que afetou a produtores nacionais de peru e que a China manteve com o nosso país há 2 anos atrás.

A assinatura dos acordos ocorreu na sexta-feira passada, na sala O'Higgins do Palacio de La Moneda, em uma cerimônia que contou com a presença da delegação de autoridades chinesas que acompanharam o ministro das Alfândegas do país asiático e o embaixador da China no Chile, Xu Bu, assim como o ministro da Agricultura, Antonio Walker; acompanhado pelo secretário adjunto da Agricultura, Alfonso Vargas; o diretor do Serviço Agrícola e Pecuário (SAG), Horacio Bórquez; a diretora do Escritório de Políticas Agrárias e Estudos (Odepa), María Emilia Undurraga; o secretário executivo da Agência Chilena de Segurança Alimentar (Achipia), Nuri Gras, e representantes de sindicatos como Ronald Bown, presidente da Associação de Frutas exportadores de Chile AG (Asoex), presidente da Expocarnes, Juan Carlos Dominguez e de Fedefruta, Jorge Valenzuela, entre outros.

A esse respeito, o Ministro da Agricultura disse ao SimFRUIT: “Hoje é um dia muito importante para o Governo, para o Chile e especialmente para a agricultura. Tivemos uma reunião muito boa com o Ministro da Alfândega da China, órgão que autoriza a entrada de novos produtos naquele mercado. Hoje, tivemos a oportunidade de ratificar o cronograma de trabalho para concretizar a entrada de peras europeias chilenas na China, também abrimos o mercado chinês para todos os produtos apícolas chilenos, bem como assinamos a entrada de avelãs europeias chilenas, espécie que tem mais de 23 hectares no Chile, e também assinamos um acordo de certificação eletrônica que agilizará nossas exportações. Além disso, assinamos um acordo para que nossas frutas possam viajar em porões de carga e não apenas em contêineres. Também deixamos as negociações para a entrada de nossas frutas congeladas e para a entrada de nossos cítricos na China muito avançadas, uma vez que finalizamos o acordo para a entrada de nossas peras na China. O início das negociações para a entrada de nossas frutas cítricas, sem dúvida, é uma ótima notícia que esperamos consolidar em menos de um ano.”

A esse respeito, o presidente da ASOEX, Ronald Bown, afirmou: "Estamos muito felizes com a visita do ministro chinês das Alfândegas ao Chile, pois eles puderam assinar acordos importantes para a exportação de nossas frutas para aquele país, bem como como outros produtos agrícolas nacionais, pois é o culminar de um trabalho em que a Asoex esteve intimamente envolvida, desde o início das negociações, juntamente com as autoridades do Ministério da Agricultura e do Serviço Agrícola e Pecuário, a quem agradecemos o esforços feitos " .

Da mesma forma, Bown destacou que após a entrada das peras chilenas, “poderemos iniciar a negociação para a abertura do mercado chinês para nossas frutas cítricas, que serão negociadas em conjunto. O mercado China-Hong Kong foi o mercado que mais cresceu na receção das nossas exportações, durante a época 2017-2018. Os embarques de frutas frescas chilenas aumentaram 45% em relação ao período anterior, com mais de 390 toneladas recebidas, o que será complementado pela entrada de nossas peras e, em um futuro próximo, de nossas frutas cítricas."

As principais espécies enviadas durante o 2017-2018 foram as cerejas, com participação na exportação total de frutos de 41% (161.508 ton); uvas de mesa com 31% do total (119.271 ton), ameixas com 11% (41.319 ton) e nectarinas com 4% do total (16.833 ton).

Encontro com ASOEX

A fim de analisar os anúncios positivos para o sector das frutas e agrícola no Chile, bem como reconhecer o trabalho, que, juntamente com as autoridades chilenas, foi feito para impulsionar o comércio de produtos numa base de reciprocidade entre os dois países, a Associação de Exportadores de frutas do Chile AG (Asoex), realizou uma reunião e almoço na comuna de Pirque.

A reunião contou com a presença do ex-presidente Eduardo Frei, na qualidade de embaixador extraordinário e plenipotenciário do Chile na China; que destacou a visita, bem como as boas e crescentes relações comerciais entre a China e o Chile. Estavam presentes também o Ministro das Alfândegas da China e a delegação que o acompanhava, além do Ministro da Agricultura; Antonio Walker, subsecretário de Agricultura, Alfonso Vargas; o Embaixador e Diretor Comercial da Embaixada da China no Chile, Sr. Xu Bu e o Sr. Liu Rutao, o Diretor do Serviço Agrícola e Pecuário (SAG), Horacio Bórquez; a diretora do Escritório de Políticas Agrárias e Estudos (Odepa), María Emilia Undurraga; Francisco Perez Walker, e os representantes da ASOEX Ronald Bown, Presidente e Miguel Canala-Echeverría, Gerente Geral da ASOEX, bem como profissionais da Expocarnes e Fedefruta, entre outros.

Cerejas: grande interesse das autoridades chinesas

No sábado 01 de dezembro, o ministro das Alfândegas excursionou pomares e embalagem de cerejas Sociedade Agrícola Lo Garces em San Francisco de Mostazal, eo Agrosuper planta de processamento de carne branca em Rosario, acompanhado pelo Ministro da Agricultura do Chile, Antonio Walker e representantes sindicais como Ronal Bown, presidente da Asoex.

Durante esta visita, o Ministro Walker destacou: “Com a visita do Ministro chinês ganhámos a sua confiança, e agora resta-nos responder com os nossos produtos à confiança que nos depositaram”.

Da mesma forma, a autoridade nacional informou: "Temos a visita do presidente Piñera à China em abril e a do presidente chinês à APEC em novembro do próximo ano, e nossa estratégia é ver se podemos encurtar os prazos de negociação de produtos como cítricos, alfafa e muitos outros que estão por vir, não podemos baixar os braços de ser um país sério, que dá segurança de que os alimentos que produz podem ser consumidos em qualquer lugar do mundo”.

No mesmo sentido, o Diretor Nacional do Serviço Agropecuário (SAG), Horacio Bórquez, destacou que “graças a esta visita podemos mostrar o bom trabalho que o SAG faz, garantindo que os produtos chilenos têm qualidade e segurança e, que enfim, são produtos confiáveis”.

O presidente da Asoex destacou a visita à indústria da cereja, por ser uma das espécies que atualmente desperta maior interesse entre os consumidores chineses. “Mais de 90% das nossas cerejas são destinadas ao mercado chinês, pois é um produto de alta qualidade e seguro. Nesta campanha vamos continuar a promover a notoriedade das nossas cerejas e o seu consumo, através de uma nova campanha promocional. É uma campanha 360º que vai incluir pontos de venda, redes sociais, e-commerce, mobile apps, publicidade em massa, eventos físicos, ativações em feiras e mercados atacadistas, num total de 65 cidades e durante 39 dias. A abrangência da promoção será nacional, com maior ênfase nas cidades regionais. Manteremos o objetivo de aumentar o consumo, aprofundando a mensagem de sucesso utilizada na temporada passada “Enjoy your Red Moment” (Enjoy your Red Moment)”, salientou Bown.

Por fim, Hernán Garcés sublinhou que “esta visita é muito importante para nós, o facto de se interessarem tanto pelo que fazemos abre-nos uma grande porta para facilitarmos a exportação dos nossos produtos”, concluiu.

fonte
Asoex

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Exportação de cerejas chilenas quase triplica em janeiro de 2024: China...
A temporada de mirtilo marroquino avança em duas velocidades
Onubafruit, o primeiro produtor de bagas em Espanha embora reduza 11%...