Agricultores e cooperativas desconfiam da nova política alimentar da UE

A União Européia (UE) propôs alcançar uma alimentação mais sustentável do ponto de vista ambiental diante da relutância de agricultores e cooperativas, que alertam para custos mais altos e concorrência de outros países.

Em sua luta contra as mudanças climáticas e a degradação ambiental, a Comissão Europeia (CE) está promovendo o chamado Pacto Verde Europeu para reduzir as emissões de gases de efeito estufa em pelo menos 55% até 2030 e alcançar a neutralidade climática até 2050.

Em linha com estes objectivos, a CE lançou a estratégia “Farm to Fork”; na área alimentar, que propõe alargar para 25% o espaço agrícola europeu dedicado à agricultura biológica e reduzir em 20% o uso de fertilizantes e de 50% o de produtos fitossanitários e antibióticos até 2030.

A posição das organizações agrárias

O diretor de Relações Internacionais da organização agrária Asaja, Ignacio López, disse à Efeagro que temos que esperar para ver se os planos da Comissão serão finalmente traduzidos em medidas vinculantes, caso em que terão um impacto "não muito lisonjeiro".

Ele prevê que os custos de produção aumentarão, assim como os preços que os consumidores terão que pagar, e aumentará a dependência de importações de fora da UE.

A nova Política Agrícola Comum (PAC) para o período 2023-2027 incorpora maiores exigências ambientais, questões às quais a Espanha se dedicará até 43% dos gastos.

Na referida reforma, López destaca que a digitalização terá um papel "fundamental", juntamente com novas tecnologias como drones, sensores e outras ferramentas de agricultura de precisão para racionalizar o uso dos recursos naturais.

Para tanto, preconiza a alocação de investimentos e legislações com base em evidências científicas, utilizando “reciprocidade e coerência nas relações comerciais”; para competir nos mercados internacionais.

O membro do Executivo do COAG Andoni García considera que muitas mudanças devem ser feitas para alcançar os objetivos da Comissão, para os quais pede apoio financeiro e nova política de preços que permite que os custos de produção sejam refletidos e evite que sejam terceirizados.

Quanto ao aumento da superfície ecológica, defende que têm de colocar mídia e campanhas com o objetivo de promover o consumo desses produtos entre a população.

"Como a PAC foi concebida, os instrumentos de mercado são insuficientes e o agricultor que vive da atividade agrícola não será priorizado"; na distribuição da ajuda, destaca García.

O responsável do COAG expressa o compromisso dos produtores com o meio ambiente e pede para apoiar sua transição para modelos mais sustentáveis ​​com leis como a da cadeia alimentar, que impede vender na Espanha abaixo do custo de produção.

Em nome da UPA, seu secretário de Relações Internacionais, José Manuel Roche, defende a sustentabilidade em seu sentido mais amplo, entendido como “equilíbrio”; entre os aspectos econômicos, sociais e ambientais.

“Estamos comprometidos com o modelo de agricultura familiar porque desenvolve uma atividade sustentável que deve ser apoiada”, afirma Roche, a favor do fortalecimento da posição dos produtores na cadeia.

Ligue para estabelecer um apoio orçamental para além da PAC para que os agricultores se adaptem às novas estratégias comunitárias e alerta que uma redução drástica de produtos fitossanitários pode constituir um problema para a sua actividade.

La concorrência desleal de países terceiros e a perda de competitividade são outras questões que preocupam a UPA se os produtos agroalimentares que entram no mercado interno não cumprem os mesmos padrões que os europeus.

Cooperativas buscam rentabilidade

O diretor dos Serviços Técnicos das Cooperativas Agroalimentares da Espanha, Gabriel Trenzado, acredita que faltam indicações sobre como mudar o modelo de produção, financiar as reformas e alcançar resultados antes de 2030.

“Foram estabelecidos alguns grandes objetivos que precisam ser alcançados, mas realmente não temos a resposta para qual modelo temos que ir, além das indicações dadas ao setor em termos de redução de substâncias ativas ou limitação de produção", afirma.

Trenzado insiste que "será difícil para o setor mudar para um modelo ambiental mais exigente se não houver garantias de rentabilidade“uma vez que compete num mercado aberto onde necessita de “políticas económicas que a ajudem a tomar as decisões certas”.

Lembre-se que fazendas e cooperativas “são negócios que precisam ser rentáveis”; e conclui: "Não haverá economia verde em números vermelhos".

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

A indústria peruana de mirtilo se recupera e cuida de suas colheitas
«Se receberem atenção suficiente, as amoras certamente têm poder...
Agrícola Cayaltí aposta no mirtilo em Lambayeque: Qual é a sua...