Francisco Soler M, do MBO Clube de Snack Berries: “Temos frutos com excelente matéria seca e com melhores graus brix do que as mesmas linhas produzidas noutras origens”

“A primeira coisa é garantir as condições da fruta para se chegar à viagem, e a segunda é produzir o que os mercados asiáticos estão pedindo: uma fruta doce, crocante, tamanho jumbo. Isso é mais ou menos um resumo do que estamos fazendo como Snack Berries "

Francisco Soler M.

Na cidade de Teno, na região de Maule, no sul do Chile, a empresa Snack Berries realiza o desenvolvimento de lavouras com a excelente genética do programa Australian Mountain Blue Orchard (MBO), que inclui variedades precoces, médias e tardias, produtores de mirtilos grandes (Jumbo +), com qualidades premium, com longa vida de prateleira, maior doçura, ótima firmeza e boa textura.

Francisco Soler M, gerente geral de Snack Berries, garante, em termos comparativos, que eles têm melhores frutos, com melhor matéria seca e com melhores graus de brix do que as mesmas linhas produzidas em outras origens.

“Sob o efeito mediterrâneo que temos na região do Maule, percebemos que temos frutas de melhor qualidade, embora tenhamos um crescimento um pouco menos explosivo, conseguimos ter entre 5.000 e 7.000 quilos nos 12 meses de plantio, o que para nós é fantástico. No segundo ano paramos em 15 - 16 toneladas por hectare, para conseguir em uma terceira safra paramos em cerca de 26 toneladas, com 6.000 plantas por hectare. Esse é o nosso projeto ”, relata.

“Nossos mirtilos são comercializados no Japão, Coréia, Tailândia e Taiwan, destinos que na última temporada transportamos cerca de 26.000 kg. E este ano já embarcamos mais de 60 toneladas, com a intenção de chegar a 70 ou 80 toneladas, porque além da qualidade, nosso calibre varia entre 18, 20, 22mm, e mercados asiáticos assim, eles querem ”, disse. garante.

Um clube Ouro

No quartel da cidade de Teno, trabalham as variedades Eureka, First Blush, Crepúsculo, Eureka Sunrise, Dazzle, Echo, Splash, Eureka Sunset, Masena e Opi, aguardando a variedade Eureka Gold, considerada por todos como " a maioria premium de todas".

Por se tratar de uma genética exclusiva, Lola Soler, diretora executiva da Snack Berries, explica o modelo de negócio:

“O modelo de negócio dessas variedades é um clube, temos licença, podemos plantar, comercializar e sublicenciar, e a venda e / ou exportação é só de um lado, que é Snack Berries. Temos licença para comercializar essas variedades em diferentes destinos. Existem alguns países em que já está estabelecido pela licença para onde a fruta deve ser enviada (importador), e geralmente as pessoas que a recebem no destino são as mesmas pessoas que têm a licença naquele país para essas variedades. Então o que o clube faz é fortalecer essa variedade nos diferentes países, pois todos temos interesse em manter a variedade e exclusividade do prêmioNão é algo que fica ao acaso onde qualquer um pode exportar onde pode, não se trata de um negócio de uma única estação ou local. Além disso, a demanda por esse produto sempre foi muito maior do que podemos atender ”, explica.

Associação ao clube

Francisco Soler esclarece-nos sobre a entrada de novos produtores no Clube.

“Já temos um grupo distribuído de Chillán a Quillota, pois é a área central que nos interessa. Temos um grupo estabelecido de 6 produtores e a ideia é focar em um grupo mais controlado para padronizar nossa qualidade. Não quero ter 1000 produtores de 1 hectare, prefiro ter 4 de 50. O problema é o mesmo, mas prefiro ir visitar um produtor de 50 hectares do que de 1. Então no final temos que nos consolidar nesse caminho , nossa primeira prioridade é fazer crescer nossos produtores que já estão conosco hoje, e se vocês me perguntarem se tem abertura de novas produtoras, sim, tem abertura de novas produtoras, mas sob avaliação da equipe técnica, porque nossa prioridade é ficar com quem está ”, garante a gerente.

objetivos

Francisco Soler afirma que “o principal, para a fruticultura em geral, é ter fruta que possa viajar. Você tem que entender nossa posição geográfica. 80% dos mercados estão no hemisfério norte e, além disso, o mercado asiático está do outro lado do mundo. O primeiro é garantir as condições da fruta para atingir a viagem, e o segundo é produzir o que os mercados asiáticos estão pedindo: uma fruta doce, crocante e grande. É mais ou menos um resumo do que estamos fazendo como Snack Berries ”.

Quanto aos objetivos, Soler defende que a primeira meta é chegar a 2023 com 50 hectares produzidos por Snack Berries e outros 250 hectares por produtores externos, ou terceiros. “Em termos de volumes de produção, nossa meta mais próxima é ficar na casa dos 8 milhões de quilos, incluindo a nossa produção e a de terceiros”, finaliza.

fonte
Martín Carrillo O. - Consultoria Blueberries

Artigo anterior

próximo artigo

POSTAGENS RELACIONADAS

Qualidade em mirtilos: bases fisiológicas e tecnológicas para o manejo de...
Juan Pablo Zoffoli, Bruno Defilippi, Jessica Rodríguez e Víctor Hugo Esc...
A pesquisadora Lisa DeVetter estará presente no blueberry and...